Musas da esgrima e da natação são as esperanças da Itália

Vezzali, de 38 anos, é a porta-bandeira da Itália

Roma – Os dois grandes destaques da delegação italiana nos Jogos Olímpicos de Londres são mulheres admiradas pela beleza e pela competência: Valentina Vezzali, campeã mundial de esgrima seis vezes, e Federica Pellegrini, recordista mundial dos 200 e dos 400 metros da natação.

Vezzali, de 38 anos, é a porta-bandeira da Itália. Ao longo da carreira, a esgrimista conquistou também sete ouros por equipe em campeonatos mundiais e tem um histórico olímpico invejável, com medalhas de ouro no florete individual nos três últimos Jogos olímpicos e por equipes em Atlanta-1996 e Sydney-2000.

Pellegrini é mais nova – completará 24 anos no próximo dia 5 -, mas também já tem grandes feitos na carreira, como ser recordista mundial dos 200 e dos 400 metros livre. Na segunda distância, realizou o feito de baixar dos 4 minutos, com o tempo de 3min59s15.

A musa faz parte do grupo de 33 nadadores italianos (19 homens e 14 mulheres) que competirão no Centro Aquático de Londres, e terá como principais adversárias a francesa Camille Muffat, que tem a melhor marca do ano nos 200 metros, e a americana Allison Smith.

Em meio a uma grande expectativa, Pellegrini disse que Londres-2012 é talvez a competição mais importante de sua vida e que colocará corpo em alma na piscina para vencer e se manter no nível das últimas competições que antecederam os Jogos.

Ela teve bom desempenho, por exemplo, no Trofeo Settecolli, em Roma no mês passado, onde baixou em 0s4 o tempo com o qual foi campeã europeia nos 200 metros livres em maio, na Hungria.


É na água que estão várias esperanças de medalhas para os italianos. Cercada de expectativa, a seleção de polo aquático feminino também é a atual campeã continental, condição adquirida em janeiro, na Holanda. Apesar de ter disputado duas edições dos Jogos, a equipe tem no histórico a medalha de ouro em Atenas-2004, além de quatro títulos do Europeu e dois do Mundial.

Filippo Magnini foi campeão europeu na Hungria com o tempo de 48s77, mas tem a dura concorrência do brasileiro César Cielo e do australiano James Magnussen. Já Tania Cagnotto se sagrou a melhor do Velho Continente várias vezes, entre elas na competição do trampolim de 3 metros sincronizado junto com Francesca Dallapé.

Com vasta experiência, o veterano remador Rossano Galtarossa sabe o que são os Jogos Olímpicos há duas décadas. Em 1992, em Barcelona, obteve sua primeira medalha: bronze no quatro sem.

Na mesma categoria, Galtarossa conquistou o ouro em Sydney-2000 e uma prata em Pequim-2008. Também foi bronze no dois sem em Atenas-2004, especialidade na qual tem, além disso, dois bronzes e uma prata em Mundiais.

Também se encontra entre os favoritos da delegação italiana o boxeador Clemente Russo, apelidado de ”Tatanka” (”bisão”, pela forma como tem de enfrentar seus oponentes), que foi prata nos Jogos Olímpicos de Pequim.

Na ginástica rítmica, Elisa Santoni tem em Londres uma nova oportunidade de demonstrar suas habilidades em solo, fita, corda, aros e maças, especialidades nas quais já tem medalhas olímpicas e mundiais tanto no individual quanto por equipes.

Outros atletas de destaque da equipe olímpica são Aldo Montano, na esgrima, o jogador de polo aquático Stefano Tempesti e o nadador Luca Dotto.

A maioria dos integrantes da equipe olímpica da Itália pertence a alguma divisão das forças do estado italiano: por exemplo, Magnini e Vezzali fazem parte da Polícia Nacional italiana.