Meditação durante treinos limpa mente e fortalece o corpo

Você pode acalmar essa agitação mental meditando enquanto corre, segundo líder espiritual

São Paulo – Se você pudesse escutar o monólogo interno de um corredor, talvez ouvisse algo do tipo: “Deveria ter vestido mais roupa. O que vou comer no jantar? Ladeira! Esse tênis novo é bom. Macarrão? Preciso comprar macarrão. E azeite. Estou vestindo muita roupa.”

Os budistas chamam esse pingue-pongue mental de “mente de macaco” – são pensamentos aleatórios indo e vindo como um bando de primatas indisciplinados. É um estado natural para corredores que ficam felizes deixando a mente vagar por quilômetros. Porém, quando você começa a ficar estressado (por causa da prova que vem por aí ou pela vida de modo geral), esses macacos começam a fazer muito barulho (Por que me inscrevi nessa prova? Meus pés estão doendo! Estou com fome!), e pode ficar difícil render o seu melhor ou simplesmente curtir a corrida.

Os budistas têm um jeito de domar esses animais: meditação. No método tradicional, ficamos sentados e focamos na respiração para alcançar a paz de espírito. Mas você pode acalmar essa agitação mental enquanto corre. É o que afirma o líder espiritual indiano Sakyong Rinpoche, corridor e autor de Running with the Mind of Meditation (“Correndo com a mente da meditação”, em tradução livre). “A meditação reduz o caos interno e o estresse”, diz Sakyong. “Quando aplicamos isso à corrida o esporte se torna uma ferramenta que traz relaxamento e vitalidade. O corpo e a mente entram em harmonia, nos sentimos mais vivos e mais fortes.”

Desenvolver uma prática meditativa para a corrida leva tempo e, claro, treino. Mas, segundo o líder espiritual, ao aplicar alguns princípios básicos da meditação à sua corrida, você se sente — e corre — melhor instantaneamente.

Fique ligado

O primeiro passo é desenvolver consciência corporal: preste atenção na sua respiração, em como seus pés aterrissam no chão, como seus braços balançam. Se perceber alguma parte tensa (punhos fechados ou ombros levantados), relaxe-a. O designer carioca Mauricio Dias, de 44 anos, chega a quase dormir nos treinos regenerativos tamanha a paz alcançada com a meditação. “Presto muita atenção na respiração, inspiro pelo nariz e solto pela boca e chego a fechar os olhos. Libertar a mente acaba me deixando mais forte”, afirma.


Ouça seu corpo enquanto corre. Pense se algo relacionado à corrida (pernas doloridas) ou a seu estilo de vida (falta de sono) o deixa tenso. “Somos treinados para superar o desconforto. Mas se houver alguma coisa ruim que você possa corrigir ou, pelo menos, conhecer a origem dela, você fica mais relaxado e corre com uma postura melhor”, afirma Marty Kibiloski, maratonista e instrutor de meditação para corredores. Isso traz uma corrida mais eficiente, rápida e com menos chance de lesões.

Pense feliz

Pesquisas associam uma visão mais otimista da vida a um melhor rendimento esportivo. E afastar o diálogo interno negativo é um princípio-chave da meditação. Professores budistas pedem aos alunos que associem coisas negativas a nuvens passando no céu: uma nuvem passageira, por exemplo, é apenas isso — passageira. A paulistana Heloísa Weber, 26 anos, já era experiente na meditação quando começou a correr. Ela recorre às suas habilidades zen para manter a confiança em treinos e provas. “O grande lance é estar presente no aqui e agora. Eu começo fixando o olhar em algum ponto distante e observando a respiração e os batimentos. Então respiro mais profundamente, relaxo tensões nos músculos do rosto e ombros e continuo com o olhar fixo. Muitos pensamentos surgem, mas eu não ‘converso’ com eles, deixo passarem, como nuvens”, diz. Segundo ela, quanto mais profundamente você respira, mais relaxa e tem fôlego e energia.

Aceite o desafio

Ladeiras monstruosas, clima hostil, percursos monótonos. Esses fatores podem transformar uma experiência agradável em frustração — mas só se você permitir. “Toda corrida tem desafios”, afirma Sakyong. “É preciso ter coragem, não tentar evitar o tédio ou o desconforto, mas relaxar com as coisas do jeito que são.”


Tem uma prova importante no horizonte? A meditação pode ajudar a controlar o nervosismo, especialmente quando fatores externos entram em cena. Se a previsão era de clima ameno e a temperatura bate os 30ºC, foque na respiração, reduza um pouco o ritmo. Sente-se à sombra, se necessário. Essa pausa pode lhe dar mais energia para o resto da prova. “Corredores já têm estoques de força e resistência. A meditação ajuda a reconhecer essas qualidades e a colocá-las em prática”, diz Kibiloski.

Ame a corrida

No geral, corredores nutrem um constante sentimento de insatisfação, seja em relação aos tempos nas provas, seja em relação à distância percorrida. É bom querer melhorar, mas você também precisa valorizar o corredor que é hoje, ensina Kibiloski. Quando estiver correndo, pense em tudo de bom que está fazendo naquele momento — fortalecendo os músculos, produzindo endorfinas, tirando um tempo para si mesmo. “Apreciar a corrida cria uma identidade saudável”, diz Sakyong. “Não importa se sua vida está um caos.”