Médicos descartam hemodiálise e Pelé segue evoluindo

Os resultados dos exames, de acordo com os médicos, foram "adequados"

São Paulo – Após ser submetido a novos exames e avaliação médica, Pelé não precisará retomar o suporte renal, através de hemodiálise, informou o boletim divulgado pelo Hospital Albert Einstein, na manhã desta quinta-feira.

Os resultados dos exames, de acordo com os médicos, foram “adequados”.

“Os resultados laboratoriais da manhã de hoje e seu exame clínico foram adequados, permitindo que o paciente não fosse submetido a uma nova terapia de suporte renal”, informou o mais recente boletim.

Diante da boa recuperação do ex-jogador, os médicos até removeram o cateter que foi utilizado para as sessões de hemodiálise na semana passada.

“O cateter que foi anteriormente utilizado para o procedimento dialítico será retirado agora cedo”, disseram os médicos no comunicado.

Pelé precisou ser submetido ao procedimento que filtra o sangue na quinta-feira, quando apresentou seu quadro mais grave, de “instabilidade clínica”. A situação se agravou principalmente porque o Rei do Futebol tem apenas um rim.

A partir de domingo, a hemodiálise foi dispensada, em razão da boa evolução de Pelé. Desde então os médicos vêm fazendo exames rotineiros no paciente para avaliar a necessidade de retomar o suporte renal. Nesta quinta, então, a recuperação do ex-jogador avançou mais um passo com a remoção o cateter, indicando que ele não deve retomar a hemodiálise nos próximos dias.

Pelé, contudo, continuará sendo monitorado na unidade semi-intensiva do hospital. “Novas avaliações do rim continuam programadas em frequência diária”, informaram os médicos, que reforçaram o bom quadro apresentado pelo paciente de 74 anos.

“[Ele] Persiste sem febre, alimenta-se bem, com medicação antibiótica endovenosa.” O boletim não traz qualquer informação sobre previsão de alta.

O Rei do Futebol está internado no Albert Einstein desde o dia 24 de novembro. Ele voltará ao local para fazer exames de rotina após ser submetido a cirurgia para remover pedras do rim. E, durante a avaliação médica, foi identificada uma infecção renal, que exigiu a nova internação de Pelé.