Importadoras fazem saldão de vinhos após festas de fim de ano

É preciso se planejar. Veja quais são suas prioridades: experimentar um grande vinho ou encher a despensa com vinhos do dia a dia

São Paulo — Janeiro e fevereiro são meses de abastecer a adega. É a época em que boa parte das importadoras fazem as suas grandes liquidações para desovar os estoques e renovar seus portfólios. Pena que, em geral, seja um mês que a gente ainda está se recuperando financeiramente das festas e das férias de fim de ano.

Os preços costumam ser ótimos, mas é preciso se planejar. Veja quais são suas prioridades: experimentar um grande vinho, encher a despensa com vinhos do dia a dia ou fazer uma mescla de ambas as coisas.

É bom tomar cuidado com safras antigas de vinhos simples, principalmente brancos e rosés. Rosés, por sinal, duram menos do que os brancos. Uma garrafa de 5 anos já corre o sério risco de estar passada. Mesmo no caso da maioria dos rosés mais caros. Já os grandes brancos duram bastante.

Outro fator que deve ser considerado é o preço do frete. Se uma garrafa de 100 reais está com desconto de 30%, mas o frete custa 40 reais, não há vantagem alguma. Veja a seguir algumas sugestões de liquidações.

Decanter

A liquidação da Decanter começou no início da segunda quinzena de janeiro e vai até dia 1 de março ou o fim dos estoques, o que deve acontecer antes. Muitos rótulos já se esgotaram no site.

Mas ainda resta bastante coisa boa. Tem opções entre 48 reais e 2.800 reais. Os estoques das lojas são independentes. No site, você consegue ver qual a porcentagem do desconto. Isso facilita na avaliação de quais os melhores negócios.

Um rótulo que me chamou a atenção foi o Basilisco Aglianico del Vulture 2006, da Basilicata, na Itália. Os vinhos feitos da uva aglianico são considerados os barolos do sul. São vinhos potentes com ótima capacidade de envelhecimento.

Com 12 anos, está num ponto ótimo de beber. Ainda é escuro, mas já tem um halo granada. Ao aroma de frutas escuras, se juntam aromas mais evoluídos, como os terrosos e de tabaco. Está com 60% de desconto, de 489,50 reais por 195,80 reais.

Outra boa opção é o vinho Madeira, fortificado semelhante ao vinho do Porto, mas com mais acidez, ou seja, o açúcar não aparece tanto. O bom é que esse vinho pode ficar aberto, fora da geladeira, que não estraga. Mas, mantendo-o na geladeira, ele fica na temperatura boa de beber a qualquer hora que der vontade.

O Cossart Gordon Verdelho 5 Years Old é de um castanho brilhante. Os aromas são bastante intensos e há uma boa complexidade. Notam-se frutas secas, nozes, tabaco, laranja cristalizada. Está com 40% de desconto, de 251,90 reais por 151,14 reais.

Grand Cru

Costuma ser a maior liquidação do início do ano. Além de ter a maior rede de lojas de vinhos do país, a Grand Cru coloca mais de 300 rótulos em promoção nesta época, de todos os preços, inclusive os vinhos mais caros do portfólio da importadora.

No site, a gente consegue ver todos eles. Até aqueles cujo estoque já acabou. É interessante ver que os mais caros, como o tinto Château La Mission Haut Brion 2006 (de 5.999 reais por 4.799,20 reais), acabam rapidamente. Boa parte deles, é arrematada no primeiro dia por clientes fiéis.

No entanto, se você não é um comprador fiel de grandes bordeaux, mas gostaria de aproveitar a oportunidade para ter a experiência de um grande vinho, ainda restam muitos rótulos bastante especiais.

Sugiro o Château Valandraud, um premier cru classé de Saint-Émilion, ou seja, um dos maiores vinhos da margem direita de Bordeaux, onde a uva merlot predomina no corte. Ele tem 30% de cabernet franc.

O produtor desse vinho, Jean-Luc Thunevin, foi apelidado de bad boy de bordeaux porque ele provocou uma revolução nessa denominação tão tradicional quando conseguiu fazer, na garagem de sua casa, um vinho tão bom quanto os melhores.

As safras 2005 e 2006 estão em promoção. A 2005, de 2.999 reais, está por 1.799,40 reais. Mais cara que a 2006 (2.499 reais por 1.499,40 reais), mas considerada bem melhor. E num grande vinho de Bordeaux a safra faz diferença.

Mas, se suas ambições são mais modestas, pode ser uma boa oportunidade para provar um pinot noir da Nova Zelândia. Os vinhos neozelandeses dessa uva têm se destacado muito.

O Marlborough Sun Pinot Noir 2016 é um exemplar simples, fresco e bastante frutado, mas já mostra o potencial da região. Está só com 15% de desconto, de 99,90 reais por 84,92 reais, mas ainda assim é barato para um pinot da Nova Zelândia.

Vindame

Conhecida pelos seus grandes rieslings alemães, a Vindame está liquidando seus rótulos mais simples, na maioria, de outras uvas e de outras procedências.

São uns seis ou sete rótulos por semana. No período entre 24 e 31 de janeiro, um dos destaques é o Baloiro Crianza, da região espanhola de. Bierzo, que estará com 25% de desconto, de 209 reais por 156,75 reais.

O vinho é feito com 100% da uva mencia de vinhas velhas. Tem aromas de frutas vermelhas e frutas escuras. Na boca, é bastante redondo.

Se você prefere provar um riesling, todas as semanas tem um rótulo. O da semana do dia 24 é o RK Riesling Trocken 2014, do produtor Kesselstatt, da região do Mosel.

É um branco seco e de muita acidez, mas bastante frutado e macio. Tem o aroma de petrolado, algo parecido com plástico novo, que caracteriza a uva. Também estará com 25% de desconto, de 139 reais por 104,25 reais.

World Wine

O tradicional bota-fora da World Wine vai só até 31 de janeiro. Este ano, a importadora está oferecendo 140 rótulos em promoção. Os muito caros ficaram de fora.

Mas tem muita coisa de bastante qualidade, como o português Quinta Vale Dona Maria 2012, o vinho do famoso “Douro boy” Cristiano Van Zeller. Essa safra recebeu 92 pontos do crítico americano Robert Parker.

Foi um ano com um inverno dos mais secos da história da região do Douro, o que resultou num vinho mais fresco do que o usual. No nariz, ele tem bastante fruta escura, especiarias, toques defumados e terrosos. Na boca, é encorpado, mas a acidez garante uma elegância extra. Está com desconto de 40%, de 471 reais por 282,60 reais.

Outro português bastante interessante, o Quinta da Falorca 2012, um vinho da região do Dão, de perto da Serra da Estrela. Gosto muito dos vinhos do Dão, que são um tanto esquecidos por aqui.

O frescor e a elegância de seus vinhos faz com que eles sejam ótimos parceiros para um prato de comida. Como muitos, esse tem predominância de Touriga Nacional. Daí as notas florais no nariz. Há também aromas de frutas vermelhas. Está com 36% de desconto, de 138 reais por 89,70 reais.