Gravações originais de Bob Dylan são encontradas em NY

Duas caixas com 149 gravações de Bob Dylan foram encontradas em um apartamento no Greenwich Village

Nova York – Duas caixas com 149 gravações de Bob Dylan foram encontradas em um apartamento do bairro nova-iorquino de Greenwich Village, o qual foi utilizado como estúdio pelo cantor entre 1969 e 1972, informou o jornal “Daily News” nesta quarta-feira.

As gravações encontradas no imóvel – 124 W Houston Street, em Manhattan – reuniam descartes, ensaios e demos do que seriam seus discos “Nashville Skyline”, “Self Portrait” e “New Morning”, assim como algumas versões de Johnny Cash, desde “Ringue of Fire” a “Folsom Prison Blues”.

De acordo com a fonte, o acervo inédito de Dylan foi encontrado no fundo de um armário pelo irmão da falecida caseira do cantor, que teria herdado o apartamento em questão.

Posteriormente, ele entrou em contato com a colecionadora Jeff Gold, que, além de confirmar sua autenticidade, também comprou o lote.

Gold reconheceu que estas gravações não foram feitas para serem vendidas, tendo em vista que a maioria foi realizada em frágeis discos de acetato, o que não reduz o valor desse achado “sem precedentes”.

“A qualidade do som é incrivelmente boa. Esta é uma primeira geração de gravações, tomadas diretamente da gravação original”, explicou a colecionadora ao jornal nova-iorquino.

Segundo Gold, a autenticidade dos discos de acetato também foi confirmada pelo então produtor de Dylan, Bob Johnston.

Johnston explicou que, na ocasião, Dylan era acostumado a gravar as canções e lhe enviar, enquanto ele devolvia as músicas já nos discos de acetato para que o cantor de “Like a Rolling Stone” desse sua opinião sobre o resultado final.

Desta forma, além do material audível, os discos achados também incluem algumas anotações nas capas, algumas feitas por Johnston e outras pelo próprio Dylan.

Gold assegurou que enviou algumas das gravações encontradas aos empresários de Dylan e que outras seriam vendidas, podendo alcançar até US$ 7 mil cada, segundo a colecionadora.

No entanto, ela fez questão de ressaltar que sua intenção é ficar com a maior parte do material encontrado.