Fiat 500L está longe de ser perfeito. Na verdade, nem bom ele é

É difícil imaginar que o carro deriva dos salões sagrados do design e do patrimônio italiano

Carros pequenos devem fazer as pessoas sorrirem. Que sociopata não sorri quando vê um Mini Cooper ou um antigo Fusca rolando pela estrada? Quem não aprecia o BMW Z4 ou o Porsche 914 por sua boa aparência e sua natureza divertida? Esses tipos de brinquedos existem para trazer alegria pura e simples.

No entanto, a alegria estava longe da emoção que senti depois de passar uma semana com o Fiat 500L 2019. Foi um choque que a versão ampliada do diminuto modelo 500 da Fiat esteja longe de ser perfeita.

Em vez disso, o 500L fornece a evidência mais tangível de que o que está acontecendo na Fiat Chrysler no momento não é bom.

Eu, por exemplo, estou torcendo pela empresa de 120 anos que faz alguns dos carros mais bonitos do mundo. Eu quero que continue a prosperar e prosperar. Mas isso é difícil quando nos deparamos com um fracasso como o 500L, que deveria ter sido uma resposta viável e satisfatória para uma necessidade cada vez maior de opções de “mobilidade” sensatas, econômicas e fáceis de estacionar.

Vamos começar com a aparência. Quando o 500L fez sua estréia em Genebra em 2012, os designers disseram que eles se inspiraram na Villa Savoye quando a construíram. A Villa Savoye é uma casa modernista em forma de caixa co-projetada por Le Corbusier nos arredores de Paris. É uma casa.

Os veículos mais desejáveis ​​costumam ser fabricados com inspirações em muitas outras coisas como panteras, não casas. E, de fato, o Fiat 500L parece tão desajeitado na estrada quanto uma casa com quatro rodas seria. As rodas de alumínio pintadas de 17 polegadas (em oposição àquelas que têm a cor natural do alumínio) parecem comicamente minúsculas embaixo de seu corpo inchado e assentos altos.

É difícil imaginar que o carro deriva dos salões sagrados do design e do patrimônio italiano. A Fiat perdeu o rumo quando projetou o 500L. Vamos esperar que o desvio seja apenas temporário. Talvez isso seja duro. Se o interior fosse incrível, eu poderia entrar nesse carro e ser relativamente feliz. Infelizmente, o interior não era melhor. Enquanto os cinco assentos são cobertos com um tecido de couro decente, o painel de plástico e as soleiras das portas não fazem nada para aliviar o desconforto geral de se sentar ao volante.

Dirigir o Fiat 500L é como olhar para a frente da borda de um penhasco antes de mergulhar por água abaixo; 20 minutos atrás do volante quase me deram vertigem. E a visibilidade traseira é muito mais obstruída do que você imagina em um veículo do tipo mini-crossover.

Algumas coisas boas a respeito do carro são a facilidade em estacionar e economia de combustível. Além disso, o sistema de entretenimento se conecta facilmente com o Bluetooth.

O preço do Fiat 500L que eu dirigi chega a US$ 27.355 nos Estados Unidos. Se custasse metade, poderia valer a pena, mas não. É um carro excessivamente caro com baixo desempenho.