Everest sem alpinismo: nova façanha para aventureiros

A expedição Everest Skydive oferece uma das maiores experiências de queda livre comercial

Everest, a 8.850 metros de altitude, podem ser mortais. Onze pessoas morreram nesta temporada depois de uma combinação de clima instável, um número recorde de licenças de acesso e inexperiência generalizada, causando uma fila de horas no “topo do mundo”.

Mas e se houvesse uma maneira alternativa de explorar a montanha mais alta do mundo? Talvez por uma rota sem congestionamento a mais de 200 km/h, com nada além de ar sob os pés, uma máscara de oxigênio e o Himalaia coberto de neve por todos os lados?

Todo mês de novembro, a expedição Everest Skydive oferece uma das maiores experiências de queda livre comercial do mundo. A partir de US$ 25 mil, os hóspedes são guiados em uma jornada de 11 dias pelo Nepal que inclui dois saltos em queda livre a mais de 7 mil metros acima do nível do mar. “A alegria de pular no Himalaia é incomparável”, diz Tom Noonan, diretor executivo da Everest Skydive. A queda livre é semelhante apenas ao passeio de paraquedas por esta maravilha natural.

Um paraquedismo recreativo típico é realizado entre 3 mil e 4,3 mil metros acima do nível do mar. Poucas zonas civis oferecem saltos superiores a 5.500 metros nos EUA.