Dono de uma Ferrari por alguns dias

Comprar um carro de luxo custa uma fábula. Mas alugar uma dessas máquinas numa viagem à Europa é um sonho mais fácil de realizar

Lançada em 2006, a Ferrari 599 GTB Fiorano é o sonho de consumo dos apaixonados por velocidade. Com motor de 620 cavalos de potência, o modelo topo de linha da lendária fábrica italiana atinge 324 quilômetros por hora — o carro nacional mais potente, o Golf GTI, tem 193 cavalos e chega no máximo a 231 quilômetros por hora.

Para ser dono de uma máquina como essa, é preciso gastar 275 000 dólares, o suficiente para comprar um apartamento confortável em qualquer capital brasileira. Se você é um apaixonado por velocidade, mas sua conta bancária não permite uma extravagância desse quilate, a locação de uma Ferrari por alguns dias pode ser a solução.

No Brasil, com suas estradas esburacadas e sem segurança, nenhuma empresa se dispõe a alugar um carrão como esse. Mas na Europa, onde estão as melhores opções, há agências especializadas em automóveis de luxo que oferecem Ferrari ou qualquer outro modelo sofisticado que o cliente desejar.

Muitas dessas agências têm filiais ou parcerias com locadoras brasileiras, o que permite aos clientes fazer a reserva em português antes do embarque. Em média, um dia com uma Ferrari sai por 3 700 euros, ou aproximadamente 10 000 reais. Quem se planeja com antecedência tem mais chance de encontrar o que quer.

“Não dá para esquecer que nenhuma locadora tem várias Ferrari na garagem”, afirma Nelson Dufech Favaro, diretor da agência Holiday Autos, que presta serviços de locação para brasileiros na Europa e nos Estados Unidos. “Se o cliente pedir um modelo específico quando estiver fazendo check in no hotel, talvez tenha dificuldades de encontrar.”

Com a queda do dólar, tem aumentado o número de brasileiros que querem alugar carros de luxo no exterior. “Há três anos esses clientes somavam 3% de nosso faturamento. Hoje já respondem por 11%”, diz Favaro. Na agência Mobility, que representa 26 locadoras do exterior, esse negócio é responsável por 20% da receita. Em 2007, serão de 400 a 500 locações.


“A maioria dos clientes são pessoas muito ricas, que teriam dinheiro para comprar os carros no Brasil, mas não o fazem porque as estradas são ruins e existe o risco de violência”, diz Oskar Kedor, diretor da Mobility. “Mas, nos últimos anos, o mercado está crescendo graças a um novo tipo de consumidor.

Ele não tem dinheiro para adquirir esses carros, mas descobriu que isso não o impede de ter o prazer de dirigir um modelo de luxo por alguns dias durante uma viagem.”

Recentemente, um empresário brasileiro, cliente de Kedor, resolveu realizar um sonho antigo. Para uma viagem de 16 dias por Alemanha, Suíça e França, alugou sete carros diferentes, entre os quais uma Mercedes CL 55 e um Bentley GT Continental. “Ele gastou 15 000 euros no total, o suficiente para comprar um Ford Focus zero-quilômetro no Brasil.

Mas teve a oportunidade de andar com máquinas únicas”, diz Kedor. O roteiro escolhido por esse cliente incluiu um passeio pelas autobahns, as auto-estradas alemãs onde nenhum motorista pé-de-chumbo é penalizado. Pelo menos na passagem pela Alemanha, o empresário não correu perigo de levar uma multa por excesso de velocidade.