Dilma lamenta morte do cantor Tinoco

“A viola brasileira fica mais triste” disse a presidente sobre a perda

Brasília – A presidenta Dilma Rousseff lamentou hoje (4) a morte do cantor José Perez, o Tinoco, da dupla Tonico e Tinoco, e disse que “a viola brasileira fica mais triste” com a perda. O cantor morreu na madrugada de hoje aos 91 anos devido a complicações cardíacas.

“Nos sessenta anos de carreira da dupla Tonico e Tinoco, o Brasil se viu refletido em músicas como Tristeza do Jeca, Moreninha Linda e Chico Mineiro, entre outras, que somadas venderam mais de 150 milhões de discos. A carreira da dupla abriu o espaço para a música sertaneja nas rádios e, assim, levou a todo o país uma expressão cultural muito particular do Brasil”, diz a nota assinada pela presidenta e divulgada pela Secretaria de Comunicação da Presidência.

O cantor sertanejo fez parte da dupla Tonico e Tinoco até 1994, quando seu irmão morreu. João Salvador Perez, o Tonico morreu no dia 13 de agosto, ao cair da escada do prédio onde morava. A última apresentação da dupla ocorreu em 7 de agosto de 1994, em Mato Grosso.

Foram 60 anos de carreira da dupla com 83 discos gravados, totalizando cerca de mil gravações. As vendas de seus discos ultrapassaram as 150 milhões de cópias, e a dupla fez pelo menos 40 mil apresentações durante a carreira.

Entre os sucessos mais conhecidos da dupla estão Moreninha Linda, Saco de Estopa, Chico Mineiro, Couro de Boi e João de Barro.