Começa a ‘Tomatina’, a mais engraçada festa de rua da Espanha

Eufóricos e excitados, 40.000 jovens de todo o mundo, dos Estados Unidos ao Japão, atiraram uns nos outros o produto bem maduro

Buñol – Cento e vinte toneladas do fruto foram usadas por 40.000 pessoas que participaram da tradicional guerra dos tomates, conhecida como festa da “Tomatina”, na cidade de Buñol, a 40 quilômetros de Valência, (leste da Espanha), celebrada na última quarta-feira de agosto, desde 1944.

Eufóricos e excitados, 40.000 jovenes de todo o mundo, dos Estados Unidos ao Japão, atiraram uns nos outros o produto bem maduro, vindo das hortas de Extremadura. A batalha dura, sempre, uma hora, na Plaza Mayor, a praça central da cidade de 10.000 habitantes.

A festa começa, exatamente, às 11h00, hora local, quando cinco caminhões esvaziam sua carga de tomates diante da multidão entusiasmada.

No final, as ruas ficam inundadas do suco espesso.

A recomendação dos organizadores é “esmagar os tomates” antes de atirá-los, para que não doa tanto naquele que for alvo da brincadeira; além disso, é bom usar “roupa velha”, um calçado resistente e não esquecer os “óculos de natação” que sempre ajudam a proteger os olhos “da acidez do fruto”.

Tendo em vista o grande número de turistas, a segurança foi reforçada com 200 policiais e funcionários da Defesa Civil”, com a ajuda de dois helicópteros, explicou o prefeito, Rafael Perez.


Ele também pensou na instalação de chuveiros, para que os participantes da festa possam se lavar, depois de terminada a batalha. Além disso, foram colocadas à disposição mangueiras de borracha que a prefeitura e os moradores da cidade oferecem aos participantes.

No total, o município gasta, com a celebração, “100.000 euros (145.000 dólares), dos quais 30.000 dólares são destinados à compra dos tomates”, ainda segundo o prefeito.

A origem da Tomatina remonta a 1944 quando, dizem alguns, um grupo de amigos envolveu-se numa batalha de “tomates”, iniciando uma prática que se repete todos os anos em toda a cidade. Há quem diga que o alvo era um grupo de jovens ricos , outros dizem que a “Tomatina” começou por ser um símbolo da oposição antifranquista. Seja qual for a origem, é hoje uma tradição de Buñol, que atrai todos os anos milhares de visitantes.

Nos anos 50, as autoridades chegaram a proibi-la mas, em 1957, a prefeitura a autorizou, finalmente, encarregando-se de organizá-la.

Considerada atração turística internacional, a “Tomatina’ faz parte de uma semana inteira de festas, em honra a São Luís Beltrão, o patrono da cidade, seguindo-se desfiles, exibição de fogos de artifício, bailes nas ruas e concursos de ‘paellas’.

Na última quarta-feira de agosto, os moradores da praça central cobrem as fachadas das casas e das lojas com plásticos, para protegê-las da “guerra” de tomates bem maduros que voam pelos ares, atirados em todas as direções, entre risos e gritos.