Clarice Lispector faria 98 anos. Relembre frases da escritora

Escritora brasileira morreu em 1977, um dia antes de completar 58 anos de idade. Hoje ela ganhou um doodle como homenagem do Google Brasil

São Paulo – A escritora ucraniana naturalizada brasileira Clarice Lispector faria hoje 98 anos e ganhou uma homenagem do Google. Clarice morreu no dia 9 de dezembro de 1977, aos 57 anos, vítima de um câncer nos ovários.

Clarice é considerada uma das maiores escritoras brasileiras do século 20 e, ao longo de sua vida, escreveu romances, contos e ensaios.

Um dos seus livros mais célebres é “A hora da estrela”, obra sempre presente em vestibulares e que conta o trágico cotidiano de uma retirante nordestina em uma grande cidade.

“A paixão segundo G.H” também é outra obra famosa da escritora, que relata a história de uma mulher que dispensou a empregada e, no momento em que limpava o quarto, esmagou uma barata no guarda-roupa.

A escritora, que tem ascendência judaica, estudou direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro, cidade onde sua família se estabeleceu quando chegou ao país, após morar por breves períodos em capitais do nordeste. Clarice também trabalhou como tradutora e jornalista.

Sua literatura é enquadrada no modernismo, e sua prosa é conhecida pelo marcante existencialismo e melancolia. Não à toa, a escritora é conhecida por frases que analisam e dão dicas preciosas sobre relacionamentos.

Veja abaixo algumas das citações mais famosas de Clarice Lispector, retiradas do site O Pensador:

Renda-se, como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece como eu mergulhei. Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.

Sou como você me vê.
Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,
Depende de quando e como você me vê passar.

Que ninguém se engane, só se consegue a simplicidade através de muito trabalho.

Não quero ter a terrível limitação de quem vive apenas do que é passível de fazer sentido. Eu não: quero uma verdade inventada.

Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato…
Ou toca, ou não toca.

…Que minha solidão me sirva de companhia.
que eu tenha a coragem de me enfrentar.
que eu saiba ficar com o nada
e mesmo assim me sentir
como se estivesse plena de tudo.

Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro.