Caso de doping faz Sunday Times processar Armstrong

Há seis anos, jornal britânico foi condenado a pagar ao ciclista indenização por causa de publicações que apontavam que ele usava substâncias proibidas

Londres – Depois de ver a sua reputação cair em desgraça após ser condenado por sua participação em um dos casos mais polêmicos da história do esporte, Lance Armstrong está sendo processado pelo jornal britânico Sunday Times, que cobra uma quantia de mais de US$ 1,5 milhão depois de ter sido condenado, seis anos atrás, a pagar ao ciclista norte-americano uma indenização por causa de publicações que apontavam que o mesmo fez uso de substâncias proibidas e liderou um esquema fraudulento na sua modalidade.

O diário inglês pagou 300 mil libras (cerca de US$ 485 mil) a Armstrong em 2006, como resultado de um processo movido pelo ciclista, então indignado com o fato de o jornal ter republicado declarações de um livro, datado de 2004, que davam conta de que ele realmente se utilizou de produtos dopantes para levar vantagem sobre os seus concorrentes.

Neste ano, porém, a Agência Antidoping dos Estados (USADA, na sigla em inglês) descobriu que Armstrong liderou um enorme programa de doping em suas equipes de ciclismo durante sua carreira. Considerado culpado pela sua atuação ilegal, Armstrong perdeu seus sete títulos da Volta da França, a competição mais importante do mundo da modalidade, e foi banido deste esporte pelo resto da vida.

O Sunday Times anunciou, em sua última edição, que tem movido ações legais contra Armstrong. “Está claro que os procedimentos eram infundados e fraudulentos”, disse o jornal em uma carta aos advogados do ciclista. “Suas representações de que você nunca tomou drogas para melhorar o desempenho foram deliberadamente falsas”, completou o diário, se referindo diretamente ao norte-americano.

O jornal disse que o total da causa contra Armstrong está “susceptível a exceder” 1 milhão de libras (cerca de US$ 1,6 milhão) e cobra na Justiça também os custos processuais que está tendo para receber de volta o que pagou ao ciclista, além de outros valores que considera justos pelo prejuízo que sofreu.