Carne vermelha faz mal à saúde?

Alimento é uma fonte importante de proteína e essencial para o organismo, ela é necessária para a construção muscular e fortalecimento do sistema imunológico

São Paulo – A carne vermelha é uma fonte importante de proteína e essencial para o organismo, ela é necessária para a construção muscular e fortalecimento do sistema imunológico. A nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão Cintya Bassi explica: “A carne vermelha é uma importante fonte de ferro, um mineral, que compõe a hemoglobina e é fundamental para o transporte de oxigênio aos tecidos. Nela também contém zinco, importante para o sistema imunológico e vitaminas do complexo B, especialmente B12, que participa da formação de células vermelhas e manutenção do sistema nervoso central”.

Segundo a nutricionista, ela possui diversos benefícios à saúde, mas o consumo exagerado pode ser prejudicial, “As carnes são fontes de gordura saturada, e o consumo em excesso, aliado a fatores como sedentarismo, pode contribuir para o aumento do colesterol e consequentemente maior incidência de problemas cardíacos. Por isso, além de consumir com moderação, é importante optar por carnes magras e preparações saudáveis, evitando frituras”.

Para quem optou por banir a carne vermelha de suas refeições a profissional orienta “A carne vermelha é o alimento com maior teor de ferro, sendo importante no combate a anemia. Para não tornar a dieta pobre em vitaminas e minerais, recomenda-se variar a escolha da carne, entre cortes magros de carne bovina ou suína, peixes e aves sem pele, pois também oferecem proteínas, vitaminas e minerais”. Entretanto, caso a opção seja não consumir nenhum tipo de carne, o indivíduo deve optar por uma alimentação ampla para que suas necessidades nutricionais sejam supridas, incluindo ovos, leites e derivados, soja, castanhas, nozes entre outros alimentos. A orientação de um especialista é importante para que a escolha e as quantidades sejam adequadas individualmente.

De acordo com as recomendações brasileiras, o consumo diário de carne pode variar entre 100 e 120 gr, e é o suficiente para suprir as necessidades nutricionais da maior parte dos indivíduos. “É importante lembrar que o consumo deve variar entre carnes brancas e vermelhas, porém a recomendação contrasta com o gosto do brasileiro que geralmente consome grandes quantidades de carne diariamente”, explica Cintya. Para quem não consegue ficar sem comer carne vermelha, prefira as formas de preparo que agregam menos gordura ao alimento, “opte pelas carnes assadas, grelhadas ou cozidas”, diz a nutricionista.


A American Heart Association recomenda o consumo de peixe, ao menos duas vezes por semana como forma de reduzir o risco de doenças cardiovasculares, isso porque são fontes importantes de ômega 3. A nutricionista alerta, “Mesmo com as carnes brancas como peixe e frango recomendamos o cuidado no preparo, para não adicionar muita gordura ao prato, e na escolha para não elevar os níveis de mercúrio no organismo, já que algumas espécies são mais suscetíveis à contaminação pelo metal”. Assim como o peixe, o frango e o peru possuem quantidades menores de calorias do que as carnes vermelhas e quando consumidos sem a pele podem auxiliar em uma dieta para emagrecimento.

Optar por preparações que acrescentem vegetais ao prato pode torná-lo mais saudável, aumentando a diversidade e oferta de nutrientes. “O arroz, especialmente o integral e o feijão, dupla comum ao paladar brasileiro, são ótimas opções de acompanhamento já que auxiliam no fornecimento de proteínas importantes” finaliza a profissional.