Cafeína ajuda a reduzir risco de Alzheimer

Idosos com comprometimento cognitivo que bebiam ao menos três xícaras de café ao dia não desenvolveram a doença em um período de quatro anos

São Paulo – Consumir cafeína pode ajudar a reduzir as chances de idosos com comprometimento cognitivo leve desenvolverem doença de Alzheimer, de acordo com uma pesquisa feita nas universidades do Sul da Flórida e de Miami, nos Estados Unidos. Os resultados, que foram publicados nesta terça-feira no periódico Journal of Alzheimer’s Disease, mostraram que nenhum dos participantes do estudo que beberam ao menos três xícaras de café ao dia foi acometido pela doença durante o período da pesquisa.

“Essas conclusões são intrigantes e sugerem que idosos que consomem mais cafeína não desenvolvem a doença de Alzheimer ou apresentam a demência com um atraso substancial”, diz o neurocientista e coordenador do estudo, Chuanhai Cao.

O pesquisador explica que esse efeito protetor da cafeína mostrou-se eficaz especialmente em indivíduos mais velhos e com comprometimento cognitivo leve, que não é uma demência, mas já é um quadro de diminuição da capacidade mental. De acordo com o artigo, 15% das pessoas com esse comprometimento acabam desenvolvendo a doença de Alzheimer.

Os pesquisadores acompanharam durante quatro anos 124 indivíduos de 65 a 88 anos. Eles analisaram a capacidade cognitiva e os níveis de cafeína na corrente sanguínea de cada um. 


A equipe observou que os níveis de cafeína medidos no início do estudo eram 51% menores no sangue das pessoas que tinham comprometimento cognitivo leve e que desenvolveram Alzheimer ao longo dos quatro anos, do que no daquelas que tinham o comprometimento, mas não foram acometidas pela demência. Além disso, nenhum paciente do grupo que mais consumiu cafeína – cerca de três xícaras de café ao dia – teve Alzheimer no período da pesquisa.

“Não estamos afirmando que a cafeína elimina completamente os riscos de uma pessoa ter Alzheimer, mas sim que ela pode ajudar a reduzir essas chances ou a retardar o surgimento da doença”, diz Cao. “Podemos dizer que a ingestão moderada de café é a melhor opção para prevenir o Alzheimer, já que a bebida é barata, disponível, atinge facilmente o cérebro e tem poucos efeitos colaterais para a maioria de nós”.

Cognição

Conjunto de processos mentais usados no pensamento, na percepção, na classificação, no reconhecimento, na memória, no juízo, na imaginação e na linguagem. O comprometimento cognitivo é uma das características mais importantes da demência, como na doença de Alzheimer

Comprometimento
É o período de transição entre quadro de envelhecimento normal e diagnóstico de demência, que é a diminuição da função mental e comprometimento da memória, do pensamento, da capacidade para aprender e do juízo