Brasil ganha destaque em leilões de arte latino-americana de NY

A arte brasileira teve um excepcional desempenho para artistas como Candido Portinari, Ernesto Neto, Camargo, Alfredo Volpi e Vik Muniz

Nova York – A arte brasileira ganhou destaque nos leilões de obras de arte latino-americanas desta semana em Nova York, realizados pelas casas Christie’s e Sotheby’s.

A arte brasileira teve um “excepcional desempenho para artistas como Candido Portinari, Ernesto Neto, Camargo, Alfredo Volpi e Vik Muniz.

Entre os artistas que bateram recordes Portinari ganhou destaque especial, com 1,14 milhão de dólares pela tela “Navio Negreiro”. Entre as principais obras leiloadas também ficaram a do argentino Emilio Pettoruti, “Concierto”, vendida por quase 800 mil dólares e “Physichromie”, do venezuelano Carlos Cruz Diez (722.500 dólares).

“A revolta dos contrários” do chileno Roberto Matta foi vendida na terça-feira à noite por 5 milhões de dólares, o dobro da estimativa inicial feita pela Christie’s. O cubano Wilfredo Lam também superou a expectativa e sua obra “Ídolo” foi vendida por 4,56 milhões de dólares.

Contudo, o aumento dos valores totais dos leilões e os recordes não escondem o fracasso pela falta de comprador para uma das grandes estrelas dos leilões, “Menina em azul e branco (Retrato de Juanita Rosas aos dez anos de idade)”, de Diego Rivera, estimada entre 4 e 6 milhões de dólares.

A Sotheby’s tinha apresentado “Menina em azul e branco” como a pintura mais importante do mexicano posta à venda em décadas e esperava que batesse o recorde de 3 milhões de dólares de “Baile en Tehuantepec”, leiloada em 1995 nessa mesma casa.

Em dois dias de leilão, a Christie’s arrecadou um total de 27,73 milhões de dólares, acima de sua expectativa de 20 milhões. Já a Sotheby’s, que encerrou seu leilão nesta quinta-feira, informou um total de vendas de 26,86 milhões de dólares, contra um total de vendas de aproximadamente 40 milhões de dólares no ano passado.