Belgas correm atrás da melhor cerveja do mundo

Feita por monges, a Trappiste Westvleteren XII está pela primeira vez a venda em supermercados do país

Bruxelas – Milhares de belgas correram nesta semana aos supermercados onde estava sendo vendida, pela primeira vez, uma cerveja famosa, produzida por monges, em troca de recursos para financiar as obras de reforma do mosteiro onde vivem.

A ‘Trappiste Westvleteren XII’ foi designada a “melhor cerveja do mundo” por um site americano especializado, em 2005.

Mas, para adquiri-la, até agora, os apreciadores precisavam dirigir-se à abadia de São Sixto, em Westvleteren, Flandres, Bélgica, perto da fronteira com a França.

Enfrentando a falta de dinheiro para as reformas da abadia, os monges decidiram vender, a título excepcional, 93.000 embalagems com seis garrafas de 33 cl cada nos supermercados Colruyt. A Operação de venda, lançada na quinta-feira, vem sendo motivo até agora de grandes filas na frente de algumas lojas; 85% dos estoques foram comprados no primeiro dia, segundo a agência de notícias Belga.

O lucro, calculado em 2,3 milhões de euros, será totalmente dedicado às obras de renovação”, anunciou a abadia.

Os monges lançaram a iniciativa “no espírito de prece e trabalho (Ora et Labora) de São Bento”, estipulando que “o trabalho deve prover as necessidades”.

“Há dez anos, a comunidade foi confrontada com destruições, causadas pelo tempo, no claustro. Para financiar a reforma, os irmãos trabalharam desde setembro de 2010, na elaboração de cubas suplementares de Westvleteren”, explicaram em comunicado.

Para a campanha de promoção, escolheram um slogan em latim: “Ad aedificandam abbatiam adiuvi” (“Contribuí para a construção de uma abadia”).

Depois de esgotados os estoques nos supermercados, a Westvleteren estará disponível, exclusivamente, e em quantidades limitadas, na abadia de São Sixto, onde vivem 30 monges.

O mosteiro pensa lançar uma iniciativa semelhante no exterior, em 2012.