Argentina tenta superar maldição contra a talentosa Bélgica

A Argentina de Lionel Messi tentará acabar com uma maldição de 24 anos, a de não conseguir superar as quartas de final da Copa do Mundo

Brasília – A Argentina de Lionel Messi tentará no sábado, em Brasília, acabar com uma “maldição” de 24 anos, a de não conseguir superar as quartas de final da Copa do Mundo e chegar às semifinais do Mundial do Brasil-2014, mas, para isto, terá que derrotar a talentosa Bélgica.

Candidata ao título, a “Albiceleste” ainda não demonstrou todo o potencial, apesar das quatro vitórias na Copa, mas é apontada como favorita na partida, programada para as 13H00 no estádio Mané Garrincha, que terá como árbitro o italiano Nicola Rizzoli.

A última vez que a Argentina superou a fase de quartas de final de um Mundial aconteceu na Itália-1990, quando foi vice-campeã.

Desde então, o país fracassou nesta fase em três oportunidades, duas delas com derrotas para a Alemanha em 2006 e 2010.

“Mais que pesar, o estigma é um desafio. Uma oportunidade. Temos esta chance novamente e daremos tudo para poder passar de fase”, disse o volante Javier Mascherano, que disputou as Copas da Alemanha-2006 e África do Sul-2010.

Para Messi, que estava no banco de reservas na derrota nos pênaltis para a Alemanha em 2006 e sofreu no campo com a goleada de 4-0 para os germânicos em 2010, esta é uma batalha crucial para firmar definitivamente seu nome entre os grandes jogadores da história das Copas.

Argentina e Bélgica chegam às quartas de final com vitórias obtidas na prorrogação: a “Albiceleste” venceu a Suíça por 1-0 com um gol de Ángel di María aos 13 minutos do segundo tempo da prorrogação e os “Diabos Vermelhos” derrotaram os Estados Unidos por 2-1.

A equipe de Alejandro Sabella fará uma alteração obrigatória, pois não contará com o lateral esquerdo Marcos Rojo, suspenso com dois cartões amarelos, e que deve ser substituído por José Basanta.

Uma boa notícia para a Argentina é a recuperação do atacante Sergio “Kun” Agüero, que havia sofrido uma lesão muscular há 10 dias e poderá, ao menos, ficar no banco de reservas.

Duas partidas em Copas

A questão é ver se Sabella fará outras mudanças contra um rival que é considerado uma das sensações da Copa, que combina o talento de jogadores como Eden Hazard com a força física de Romelu Lukaku e Divock Origi, entre outros.


O técnico precisa decidir se mantém o esquema 4-3-3 ofensivo, que agrada Messi, com Gonzalo Higuaín e outro atacante, ou opta por um 4-4-2 mais conservador.

Contra a Suíça, o time ficou no meio do caminho, pois Ezequiel Lavezzi, atacante, não conseguiu uma boa posição nem à frente nem no meio.

Com a atuação fraca, Lavezzi, que substituiu Agüero, pode perder a posição para o volante Maxi Rodríguez, no caso do 4-4-2, ou para o atacante Rodrigo Palacio, para o esquema 4-3-3.

A partida de Brasília provoca recordações de dois confrontos em Copas disputadas na década de 1980, com uma vitória para lado, com Diego Maradona e Jean-Marie Pfaff como protagonistas.

Na Copa do México-1986, a Argentina venceu a Bélgica por 2-0 com dois gols de Maradona nas semifinais. Quatro anos antes, na Espanha, a Bélgica venceu a Argentina por 1-0 na partida de abertura da Copa.

O duelo Messi-Courtois

Com grandes atuações na Copa, Messi enfrentará no sábado o goleiro Thibaut Courtois, seu algoz na última temporada. O argentino não conseguiu anotar nenhum gol nas seis partidas entre Barcelona e Atlético Madrid.

“Sei muito bem como jogar contra Messi. Eu o enfrentei em várias oportunidades com o Atlético de Madrid e vencemos o Barcelona”, afirmou Courtois, um dos líderes da seleção belga.

Messi já anotou quatro gols na Copa do Mundo do Brasil e o duelo com Courtois promete ser um dos mais emocionantes do Mundial.

Escalações prováveis:

ARGENTINA: Sergio Romero – Pablo Zabaleta, Federico Fernández, Ezequiel Garay, José Basanta – Fernando Gago, Javier Mascherano, Ángel Di María – Ezequiel Lavezzi, Lionel Messi (cap), Gonzalo Higuaín. DT: Alejandro Sabella.

BÉLGICA: Thibaut Courtois – Toby Alderweireld, Daniel Van Buyten, Vincent Kompany (cap), Jan Vertonghen – Marouane Fellaini, Axel Witsel, Kevin De Bruyne – Dries Mertens , Divock Origi o Romelu Lukaku, Eden Hazard. DT: Marc Wilmots.

Árbitro: Nicola Rizzoli