Aprenda mais sobre alongamentos e atividades musculares

Prática de alongamentos antes das atividades físicas pode ser uma estratégia utilizada para prevenir dor, lesões musculares e melhorar o desempenho muscular

São Paulo – Apesar de muitas polêmicas sobre o assunto, a prática de alongamentos antes das atividades físicas pode ser uma estratégia utilizada com o objetivo de prevenir dor, lesões musculares e melhorar o desempenho muscular, segundo a fisioterapeuta Maria Loffredo, doutora em engenharia biomédica (Unicamp) e professora do curso de fisioterapia da Uninove. “O alongamento tem a capacidade de alterar as propriedades viscoelásticas da unidade músculo-tendão reduzindo a tensão passiva e a rigidez da unidade. As principais técnicas utilizadas no âmbito clínico e no meio esportista são o alongamento estático ou passivo e balístico ou ativo”, aponta.

Segundo Maria, o alongamento estático ou passivo é uma técnica utilizada quando o músculo é estirado lentamente até obter uma tensão que seja confortável e sem dor, esta posição deve ser mantida por alguns segundos (variando de 20 a 60 segundos). “O alongamento balístico ou dinâmico é realizado com intensidade submáxima até o ponto de desconforto muscular, executado de forma a proporcionar um aquecimento sendo realizado em séries”, explica.

A fisioterapeuta afirma que alguns estudos mostram que o alongamento dinâmico realizado em 1 série de 10 repetições pode promover melhora no desempenho da potência muscular em relação ao alongamento estático (1 série de 10 segundos) e que este, quando executado imediatamente antes da atividade física, pode provocar uma queda no rendimento de força máxima.

“A transferência de força exercida pela musculatura esquelética é transmitida pelo tendão para os ossos e articulações. Estando o tendão mais rígido, esta transmissão de força será mais rápida. Sabendo que a prática de exercícios de alongamento aumenta a flexibilidade diminuindo a tensão muscular tornando-a mais maleável, então, existe a possibilidade destes exercícios afetarem negativamente a transmissão de força diminuindo assim o rendimento físico”, aponta Maria.


Por outro lado, o alongamento feito antes do treinamento de força, juntamente com o aquecimento, prepara o corpo para a atividade física, podendo prevenir lesões, tanto musculares como articulares. “No entanto o treino de flexibilidade excessivo, realizado antes do treinamento de força máxima e de resistência, pode causar uma diminuição de força, prejudicando o treinamento. Os exercícios de alongamento também podem ser feitos durante o treinamento de força, como intermédio entre um exercício e outro, conforme a sua necessidade (recuperação metabólica ou relaxamento).”

Após os treinos de força é preciso tomar alguns cuidados, com dispõe a fisioterapeuta. “Durante a fase de relaxamento, também é recomendado realizar exercícios de alongamento, mas com cuidado, pois no final de treinamento de força, o indivíduo está com seu nível de flexibilidade inferior, pois os músculos estão com excesso de fluidos corporais, entre eles os níveis de concentração de lactato (ácido lático). Se o alongamento for muito intenso poderá ocorrer rompimento das fibras musculares causando lesões. O treinamento de força não causa interferência sobre a flexibilidade, desde que realizada adequadamente, pois o próprio treinamento de força pode aumentar a flexibilidade.”

Colaborou Katia Flor dos Santos, graduanda do curso de Fisioterapia