App Share Eat indica bares e restaurantes para paladares distintos

Recém chegado a São Paulo e prestes a estrear no Rio de Janeiro, o aplicativo quer competir com gigantes como o TripAdvisor

A receita para virar um influenciador digital da ramo da gastronomia é simples. Basta registrar no Instagram cada visita a um restaurante, bar ou café, tecer uma platitude ou outra sobre cada endereço e esperar o número de seguidores crescer (ok, tem gente que não resiste ao uso de softwares que ajudam a inflar a audiência e à compra de seguidores falsos).

Se convites para visitar estabelecimentos começarem a brotar em seguida é sinal de que você entrou para o interminável rol de influenciadores digitais da gastronomia, no qual picaretas coexistem em pé de igualdade com os raros que têm propriedade para falar sobre o assunto.

O gaúcho Diego Fabris tem todas as credenciais para figurar entre esses últimos. Formado em publicidade, ele é um dos fundadores do site de dicas gastronômicas Destemperados, surgido em Porto Alegre em 2007 e associado ao jornal “Zero Hora” em 2014. Fabris se desligou do projeto no ano passado. Virar um mero influenciador do ramo, no entanto, não parece lhe apetecer. Seu planos são bem mais ambiciosos.

Com o projeto de um aplicativo debaixo do braço, Fabris bateu na porta do empresário José Renato Hopf. Criador das maquininhas de pagamento GetNet, vendidas para o Santander em 2014 por R$ 1,1 bilhão, esse último criou a 4All, sediada em Porto Alegre, especializada em ajudar fintechs e empresas do gênero a prosperar. Hopf abriu as portas para o aplicativo proposto por Fabris, o Share Eat, e assegurou um investimento de R$ 1,5 milhão.

Lançado em janeiro, ele faz as vezes de bússola para paladares distintos e ambiciona ombrear com gigantes como o TripAdvisor. Efetuado o download, gratuito, os usuários são convidados a apontar, por exemplo, se preferem pratos bonitos para postar no Instagram ou se só dão bola para restaurantes estrelados. Com a ajuda da inteligência artificial, o aplicativo indica os estabelecimentos de cada cidade que mais combinam com cada perfil.

Florianópolis foi o destino número um. Depois vieram Porto Alegre e Serra Gaúcha. São Paulo foi incluída em abril, seguida de Curitiba. As próximas são Rio de Janeiro e Belo Horizonte. A inclusão de novos endereços para a base está a cargo de um grupo de curadores. Cerca de 2 mil estabelecimentos já constam da plataforma.

A pergunta que a equipe de Fabris mais ouve é como o Share Eat planeja ganhar dinheiro. A resposta: direcionando a audiência para e-commerces de vinhos ou cerveja, por exemplo, e prestando consultoria para grandes marcas associadas à gastronomia. Inicialmente, o aplicativo permitia o pagamento de contas de restaurantes em troca de um percentual, mas a ferramenta foi deixada de lado por enquanto.

Somando a audiência do site do Share Eat, que dispõe das mesmas funcionalidades que o aplicativo, a novidade soma 300 mil visitas por mês. O app registra 50 mil downloads e, incluindo a versão online, foram feitos 80 mil cadastros. A meta agora é incluir o WhatsApp no bolo – o usuário faz perguntas por meio da ferramenta e recebe em instantes a indicação mais adequada para agradar seu paladar.