Álbum “’21” de Adele é o mais vendido em 2012

O segundo trabalho da artista londrina chegou ao mercado em janeiro de 2011 e em breve se tornou sensação, conquistando no ano passado os prêmios Brit e Grammy

Londres – O álbum “21” da cantora britânica Adele foi o mais vendido no mundo em 2012, com 8,3 milhões de cópias, informou nesta terça-feira em Londres a Federação Internacional da Indústria Fonográfica (IFPI).

O segundo trabalho da artista londrina chegou ao mercado em janeiro de 2011 e em breve se tornou sensação, conquistando no ano passado os prestigiosos prêmios Brit e Grammy como melhor álbum.

Além do indiscutível êxito comercial de Adele, que no domingo ganhou o Oscar pela música tema de “007-Operação Skyfall”, o último filme de James Bond, o relatório anual da IFPI lista na segunda posição a norte-americana Taylor Swift com seu trabalho “Red”, com 5,2 milhões de cópias vendidas no mundo.

O grupo One Direction aparece em terceiro e quarto colocado com os trabalhos “Up All Night” e “Take Me Home” respectivamente, com 4,5 e 4,4 milhões de cópias.

Lana del Rey (“Born To Die”), Pink (“The Truth About Love”), Rod Stewart (“Merry Christmas, Baby”), Rihanna (“Unapologetic”), Mumford & Sons (“Babel”) e Maroon 5 (“Overexposed”) foram os seguintes artistas que mais álbuns venderam no planeta.

Além disso, segundo dados da IFPI, o single que mais cópias vendeu no mundo todo em 2012 foi “Call Me Maybe”, de Carly Rae Jepsen, com 12,5 milhões.

O resto das canções que mais tiveram êxito comercial no ano passado foram “Somebody That I Used To Know” de Gotye, que vendeu 11,8 milhões de cópias, seguido pelo popular “Gangnam Style” do rapper coreano Psy, com 9,7 milhões vendidos, que virou febre no YouTube.


Os singles que completam a lista são “We are Young”, da banda Fun, “Payphone”, do Maroon 5, “Ai se eu te pego”, do brasileiro Michel Teló, “Starships”, de Nicki Minaj, “One More Night”, do Maroon 5, “Whistle” e “Wild One”, ambas do Flo Rida.

Na apresentação do relatório anual da IFPI, a conselheira delegada, Frances Moore, disse que a indústria musical está mostrando “sinais de recuperação”, apesar de continuar enfrentando “obstáculos que devem ser abordados” para continuar crescendo.

O setor da música gravada cresceu 0,3% em 2012 no mundo, o que representa seu primeiro aumento desde 1999, apesar da crise mundial e da pirataria digital.