Aerosmith emociona cariocas sob chuva após quase 20 anos

Americanos do Aerosmith e os ingleses do Whitesnake subiram na noite de ontem, sexta-feira, ao grande palco montado na Praça da Apoteose, no Rio de Janeiro

Rio de Janeiro – Os americanos do Aerosmith e os ingleses do Whitesnake subiram na noite de ontem, sexta-feira, ao grande palco montado na Praça da Apoteose, no Rio de Janeiro, 19 anos após a última passagem do grupo comandado por Steven Tyler pela cidade.

A noite começou com o Whitesnake, liderado por David Coverdale, ex-vocalista do Deep Purple. As guitarras pesadas de Doug Aldrich e Reb Beach fizeram soar o hard rock na Passarela do Samba desde o início do show com ‘Give Me All Your Love’, seguida por ‘Ready An’ Willing’ e o hit ‘Love Ain’t No Stranger’.

Nem mesmo a chuva que caiu sobre o Rio esfriou o público, que respondia com gritos aos estímulos de Coverdale. O set list dos ingleses, que têm Michael Devin no baixo e Tommy Aldridge na bateria, contou ainda com vários sucessos como a balada ‘Is This Love’, ‘Here I Go Again’ e ‘Fool For Your Love’, além de dois covers da antiga banda do vocalista, o Deep Purple: ‘Burn’ e ‘Soldier of Fortune’.

Os paulistas Mauro Garcia, de 39 anos, e Talita Passos Siqueira, 31 anos, que também verão as duas bandas no festival Monsters of Rock, hoje, não quiseram esperar e também vieram ao Rio especialmente pelo Whitesnake.

‘Já é o quinto show deles a que assisto. Vale muito a pena passar por qualquer coisa para assistir ao Whitesnake’, disse Mauro.

Mas a maior parte do público esperava mesmo pelo Aerosmith, que chegou ao Brasil com a turnê Global Warming Tour, que apresenta o álbum ‘Music From Another Dimension!’.

Com o visual chamativo de costume, Tyler e sua potente voz prenderam a atenção das milhares de pessoas, iniciando o show com ‘Let the Music Do the Talking’, ‘Love in an Elevator’ e ‘Toys in the Attic’.

Mas foram os grandes sucessos como ‘Dude (Looks Like a Lady)’, ‘Cryin”, ‘Jaded’ e ‘Walk this Way’ que levaram os fãs da banda a ignorar a chuva. Nas baladas, como ‘I Don’t Want to Miss a Thing’ e ‘Dream On’ foi possível ver algumas lágrimas nos rostos dos espectadores.

A bateria de Joey Kramer e o baixo de David Hull, que substituiu Tom Hamilton, davam segurança para que Tyler, de 65 anos, e Joe Perry, 63, esbanjassem vitalidade e presença de palco, marca registrada da banda.

Os dois usaram ao máximo as dimensões do palco e a plataforma que os deixava mais perto do público. Durante a música ‘Walk this Way’, uma fã subiu ao palco e deu um longo beijo na boca do vocalista, além de cantar parte da letra.

O show ainda reservava surpresas, como uma versão de ‘Come Together’ dos Beatles, e duas voltas ao palco após o término do show, para tocar clássicos como ‘Crazy’ e ‘Sweet Emotion’. O próprio Steven Tyler parecia não querer deixar o palco, ao fim de uma noite que deixou tanto a banda quanto o público carioca satisfeitos com o reencontro. EFE