Venezuela abandona controles ao estilo cubano e ajuda empresas

Maduro abandonou uma década e meia de controle de preços, permitindo a fábricas enferrujadas de Valencia uma trégua na guerra do governo contra capitalismo

Nem todos os negócios na zona industrial de Valência fecharam durante a crise econômica da Venezuela. Isso aconteceu com apenas dois terços deles.

Os sobreviventes das fábricas enferrujadas do antigo centro industrial do país, a duas horas de Caracas, desfrutam de uma trégua na guerra do governo contra o capitalismo.

Sem reconhecer a mudança publicamente, o governo socialista do presidente Nicolás Maduro abandonou uma década e meia de controle de preços. É difícil definir uma data precisa da liberalização, porque o controle nunca aconteceu oficialmente.

No entanto, nos últimos meses, as prateleiras dos supermercados foram reabastecidas e a escassez severa de mercadorias, como pasta de dente e papel higiênico, diminuiu – embora sejam vendidas a preços que a maioria dos venezuelanos não pode pagar.

Valência, uma cidade de talvez 1 milhão de habitantes, sofreu o impacto da política industrial fracassada do governo. Hoje, os empresários da cidade aproveitam ao máximo a nova atmosfera – enquanto isso durar.

“Na Venezuela de hoje, ainda existem oportunidades”, disse Ernesto Abbass, um empresário de Valência dono de uma metalúrgica e investimentos em farmácias. “Existem algumas empresas que conseguiram surfar na onda da falta de políticas econômicas. Tivemos que ser criativos.”

As raízes da crise mais profunda da história das Américas remontam a duas décadas. Depois de chegar ao poder em 1999, o governo do presidente Hugo Chávez tentou gradualmente mudar para uma economia do estilo de Cuba.

Ao introduzir controles de preços de produtos básicos, como feijão e leite, estes se tornaram escassos, enquanto bens não controlados, como o uísque, permaneceram nas prateleiras.

Houve frequentes repressões contra pessoas que o governo chamou de ”especuladores”, que vendiam produtos acima do preço permitido. Não arriscavam apenas pagar multas, mas também enfrentar uma cela na prisão.

Os empresários de Valência que conversaram com a Bloomberg não sabiam dizer se a nova situação representa uma mudança real de filosofia ou uma breve pausa antes de uma nova onda de ataques da agência de controle de preços. De qualquer maneira, as empresas conseguem ter lucro – não legalmente, mas na prática.