UE pede reformas à Ucrânia em troca de ajuda de € 1,6 bilhão

Comissão Europeia pediu à Ucrânia uma reforma dos preços da eletricidade, subsidiados em massa, e que o país lute ativamente contra a corrupção

Bruxelas – A Comissão Europeia pediu nesta quarta-feira à Ucrânia uma reforma dos preços da eletricidade, subsidiados em massa, e que o país lute ativamente contra a corrupção, em troca de uma ajuda financeira de 1,6 bilhão de euros, parte de um grande plano anunciado no início de março.

O executivo europeu detalhou nesta quarta-feira a ajuda de urgência destinada a Kiev, no âmbito de um plano de ajuda de ao menos 11 bilhões de euros prometidos há duas semanas.

Entregará 1 bilhão de euros, que se somam aos 610 milhões de euros prometidos no âmbito dos acordos de associação.

Estas somas servirão principalmente para prestar ajuda urgente à Ucrânia, que enfrenta uma grande degradação de sua balança de pagamentos e de sua situação orçamentária, explica um comunicado da Comissão.

Cerca de 600 milhões de euros serão entregues rapidamente – a partir da autorização do Fundo Monetário Internacional (FMI) – e a outra parte durante o ano, disse a Comissão.

“É uma resposta imediata e concreta às dificuldades financeiras da Ucrânia”, ressaltou nesta quarta-feira Olli Rehn, o comissário europeu encarregado de Assuntos Econômicos, durante uma coletiva de imprensa.

Em troca desta ajuda, Bruxelas espera por parte da Ucrânia um conjunto de reformas econômicas.

Entre elas está a “reforma do sistema de preços da eletricidade e da energia”, afirmou Rehn, que lembrou que o setor está “subsidiado em massa (pelo Estado), que tem um peso consequente sobre as finanças públicas”.

“Ao mesmo tempo, sabemos que esta reforma terá consequências sociais e políticas” importantes, admitiu, evocando a necessidade de apoiar as populações em dificuldades.

Uma missão de especialistas da Comissão viajará em breve a Kiev e abordará esta questão, anunciou o comissário europeu. “É uma questão que formará parte das negociações entre o governo ucraniano e a Comissão Europeia”, indicou.

Entre outros, Kiev deve lutar ativamente contra a corrupção, estima a Comissão, um gesto que “os ucranianos desejam”, indicou Rehn.