Trump quer impedir que 100 mil cônjuges de portadores de visto trabalhem

Governo quer reverter política da era Obama e proibir que cônjuges dos portadores de visto H-1B trabalhem no país, afetando potencialmente 100 mil pessoas

O plano do presidente dos EUA, Donald Trump, de proibir que os cônjuges dos portadores de visto altamente qualificados trabalhem provavelmente tirará os empregos de 100.000 pessoas e afetará negativamente os portadores de vistos e seus empregadores, segundo uma nova pesquisa.

O governo Trump vem aumentando o rigor das regras para os vistos H-1B, que permitem que os estrangeiros trabalhem nos EUA por vários anos e como parte desse esforço planeja revogar a permissão de trabalho dos cônjuges.

Nesse contexto, Christopher J. L. Cunningham, da Universidade do Tennessee em Chattanooga, e Pooja B. Vijayakumar, da Faculdade de Administração Kemmy da Universidade de Limerick, começaram a estudar as implicações de uma mudança do tipo nas políticas.

Eles descobriram que a mudança provavelmente isolaria os cônjuges socialmente, aumentaria as tensões domésticas e sobrecarregaria os recursos financeiros da família. Isso provavelmente também diminuiria a satisfação do portador do visto e aumentaria o risco de ele aceitar cargos em outro país.

O custo das nomeações fracassadas de expatriados varia de US$ 250.000 a US$ 1 milhão, sem contar custos indiretos, escreveram.

“As mudanças nas políticas como a que está sendo considerada para os EUA são muitas vezes feitas sem informações completas que possam ajudar as autoridades a entender melhor a verdadeira extensão das prováveis consequências”, afirma o estudo.

Os EUA começaram a permitir que os cônjuges dos portadores de visto H-1B trabalhassem em 2015, no governo anterior, de Barack Obama. Na pesquisa, os autores estudaram as experiências das famílias com H-1B em 2014. Eles entraram em contato com 1.800 expatriados indianos para que participassem da pesquisa e a amostra final consistiu em 416.

Os programas de vistos de trabalho, que remontam a 1952, foram planejados originalmente para permitir que as empresas dos EUA contratassem trabalhadores do exterior temporariamente quando não conseguissem encontrar americanos qualificados. Mas os programas evoluíram com muitas alegações de que as empresas, principalmente as gigantes de terceirização da Índia, estavam abusando dos vistos para conseguir mão de obra mais barata. Trump assumiu a presidência prometendo reformular os programas e proteger os trabalhadores americanos.

Nesse contexto, o Departamento de Segurança Interna de Trump iniciou o processo de reversão da possibilidade de os cônjuges dos portadores do visto H-1B trabalharem. Associações do setor de tecnologia — que representam o Google e a Amazon.com, entre outras empresas — criticaram o plano, argumentando que prejudicará os cônjuges, em geral mulheres, e também os portadores de vistos.

Os detentores do visto H-1B explicaram uma série de problemas gerados quando os cônjuges não podiam trabalhar.

“Era muito injusto para ela, por isso estamos voltando para a Índia”, disse um participante da pesquisa aos pesquisadores. “Minha esposa está frustrada por não poder continuar a carreira”, revelou outro.

Os pesquisadores disseram que um restabelecimento da proibição provavelmente “será mais crítico e difícil para as famílias expatriadas do que o que ocorreu em 2014, já que muitos desses indivíduos que foram beneficiados temporariamente pelas políticas de imigração do governo anterior podem ter comprado uma casa nesse período ou começado um negócio próprio”.

Cunningham é especialista em psicologia industrial, organizacional e de saúde ocupacional da Universidade do Tennessee em Chattanooga. Vijayakumar é pesquisador e atualmente estuda expatriação e gestão intercultural.