Trump erra ameaça para China em 99 bilhões de dólares, diz WSJ

Presidente americano tuitou que havia pedido redução de 1 bilhão de dólares no déficit comercial, mas era para ser 100 bilhões de dólares

São Paulo – Na última quarta-feira (07), Donald Trump postou no Twitter que havia pedido para a China um plano de redução do déficit comercial com os Estados Unidos.

A meta seria cortar o déficit em “Um Bilhão de Dólares” por ano, o equivalente a 0,3% do saldo de US$ 375 bilhões que a China hoje tem na relação com os americanos.

O ultimato pouquíssimo ambicioso chamou a atenção dos economistas, e nesta quinta-feira (08) o Wall Street Journal explicou que o presidente errou por 99 bilhões de dólares.

De acordo com uma pessoa próxima ao assunto, o pedido na verdade é por uma redução de 100 bilhões de dólares e foi feito na semana passada para Liu He, principal arquiteto da política econômica chinesa.

A diminuição dos déficits comerciais com outros países tem sido uma das principais bandeiras econômicas de Trump desde a campanha e a tendência protecionista sempre foi um ponto de atenção com a sua administração.

O risco de uma guinada protecionista aumentou com a renúncia de Gary Cohn, principal assessor econômico de orientação globalista, e a confirmação de uma taxação extra de 25% sobre aço e de 10% sobre o alumínio estrangeiros.

A China será uma das mais afetadas no caso do alumínio e o Brasil será um dos mais afetados no caso do aço. Apenas México e Canadá estão isentos, por enquanto.

A medida foi criticada por membros do Partido Republicano e por indústrias locais e estrangeiras e deve gerar retaliações de outros países.

O presidente americano ainda colocou mais gasolina no fogo ao tuitar que “guerras comerciais são boas e fáceis de ganhar”.