Após reforma tributária, Trump luta por financiamento do governo

ÀS SETE - Republicanos têm até sexta-feira para aprovar uma lei que financie as operações do governo para o ano seguinte

O orçamento dos Estados Unidos virou tema dos dois lados do Atlântico depois que os Republicanos aprovaram, durante o final de semana, uma reforma do sistema tributário do país.

O governo francês pediu que ministros de Finanças da União Europeia incluam o assunto na pauta de uma reunião que acontece nesta terça-feira, para discutir a influência do projeto de lei em bens e empresas da Europa.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

A preocupação é com um ponto da reforma que daria aos Estados Unidos a capacidade de sobretaxar subsidiárias de empresas europeias que vendem bens no país.

“Se essa reforma for se materializar como está agora, poderia criar sérias dificuldades”, disse um oficial do governo da França à agência Reuters.

Depois que a pauta foi aprovada pelo Senado, os legisladores devem iniciar conversas até a semana que vem com os representantes da Câmara — outra lei foi aprovada na casa baixa do Congresso e é preciso que haja uma conciliação entre as propostas antes da aprovação presidencial.

Agora o desafio dos Republicanos é outro: aprovar até sexta-feira uma lei que financie as operações do governo para o ano seguinte, e impeça o executivo de entrar em “shutdown”.

Isso acontece caso o Congresso e o Executivo não cheguem a um consenso sobre como o serviço público será financiado para o ano seguinte.

Desde 1976, quando a regra começou a valer, o impasse já aconteceu 18 vezes, incluindo uma dramática, em 2013, sob gestão de Barack Obama. Nos dias ou semanas de impasse (ou desligamento), serviços essenciais da administração pública param de receber verbas. 

Seria um golpe duro para Trump após uma vitória significativa. A aprovação da reforma tributária é a maior vitória legislativa de seu governo até agora, mesmo que sua gestão detenha maioria nas duas casas do Congresso.

Caso o governo não consiga lidar com a tarefa de evitar o desligamento, pode passar a impressão de que não tem o que é necessário para discutir repercussões da reforma tributária.

É o caso de promessas que a administração e os líderes republicanos fizeram para garantir o apoio de alguns membros do partido: manter a responsabilidade fiscal e evitar um aumento gigantesco no déficit orçamentário americano.

O shutdown se tornou uma ameaça ainda maior na semana passada, quando Trump atacou pelo Twitter líderes democratas necessários para evitar o desligamento.

A primeira vitória pode ser significativa, mas ainda há muito à frente para que o governo de Trump possa se declarar vitorioso em seus projetos orçamentários.