Transporte rodoviário e teles têm maiores receitas em 2011

As empresas de telecomunicações registraram receitas de R$ 142,4 bilhões, o que equivale a 54,9% da receita total do segmento de informação e comunicação

Rio – A Pesquisa Anual de Serviços (PAS) revelou que as empresas de telecomunicações e de transporte rodoviário de passageiros e cargas registraram as maiores receitas liquidas em 2011. Os dados foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quarta-feira, 28.

Na metodologia do IBGE, são sete segmentos de serviços pesquisados: Transportes, serviços auxiliares e correios; Serviços prestados às famílias; Informação e Comunicação; Serviços Profissionais, administrativos e complementares; Atividades imobiliárias; Manutenção e reparação; e Outras atividades.

As empresas de telecomunicações registraram receitas de R$ 142,4 bilhões, o que equivale a 54,9% da receita total do segmento de informação e comunicação. O segmento é o terceiro entre as maiores receitas em 2011. As empresas de Tecnologia da Informação (TI) são as mais numerosas, correspondendo a 63,6% do total neste segmento. São também as empresas que mais empregam, com 442 mil trabalhadores.

Já as empresas de transporte rodoviário de passageiros e cargas tiveram receita líquida de R$ 139,9 bilhões. O segmento representa 77% do total de empresas prestadoras de serviço na área de transportes e entregas e emprega 65,5% dos profissionais.

Entre os serviços destinados às famílias, destaca-se a alimentação, que registrou R$ 67,1 bilhões de receita líquida. Nos serviços profissionais, a maior receita foi verificada entre as empresas de serviços técnicos profissionais, como assessorias, consultorias e análises técnicas. O montante foi de R$ 111,6 bilhões.

A compra e venda de imóveis próprios teve receita de R$ 17 bilhões, o equivalente a 69,7% das receitas do segmento de atividade imobiliária. Nos serviços de manutenção e reparação, o setor automotivo se destacou, com R$ 8,8 bilhões em receitas. No segmento de Outras Atividades, o destaque ficou na área de seguros e previdência, que registrou receitas de R$ 30,7 bilhões.