Medidas do BC vêm em linha com ata do Copom, diz Tendências

Segundo economista, ajuste de compulsórios está alinhado à mensagem divulgada pela autoridade monetária

São Paulo – As medidas do Banco Central anunciadas nesta sexta-feira, 25, não surpreenderam o economista Sílvio Campos Neto, da consultoria Tendências.

Segundo ele, o ajuste de compulsórios, e outras decisões para estimular o crédito e injetar dinheiro na economia, estão alinhadas à mensagem divulgada pela autoridade monetária na ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), divulgada na quinta-feira, 24.

“Com o cenário de crédito crescendo de forma mais moderada, o BC já havia dado sinais de afrouxamento macroprudencial”, disse. “As medidas vêm em linha com a reformulação do parágrafo de 25”, avaliou.

O profissional refere-se ao parágrafo, no documento conhecido ontem, no qual o Comitê destaca que o cenário central também contempla expansão moderada do crédito.

“Importa destacar que, após anos em forte expansão – arrefecida com a introdução de medidas macroprudenciais em finais de 2010 – o mercado de crédito voltado ao consumo passou por uma moderação, de modo que, nos últimos trimestres observaram-se, de um lado, redução de exposição por parte de bancos, de outro, desalavancagem das famílias. No agregado, portanto, infere-se que os riscos no segmento de crédito ao consumo vêm sendo mitigados. Em outra dimensão, o Comitê considera oportunas iniciativas no sentido de moderar concessões de subsídios por intermédio de operações de crédito”.

Para Campos Neto, a decisão de hoje do BC confirma um cenário de ações controversas, com a manutenção da taxa básica de juros em níveis elevados para controlar a inflação e, por outro lado, as medidas adotadas hoje de estímulo ao crédito diante do esfriamento do consumo, ponderou o economista.

“O quadro é muito adverso, com a economia caminhando para uma estagnação, mas a inflação ainda não cedendo e o BC tenta equilibrar as duas situações”, disse.

No entanto, o economista pondera que os resultados advindos das mudanças anunciadas nesta sexta-feira são “muito duvidosos”. “Hoje as famílias estão mais cautelosas para partir para novas decisões de consumo e aumentar seu endividamento”, comentou.

Para ele, o setor automotivo pode até perceber alguma consequência positiva, mas o enfraquecimento da demanda por crédito e o mercado de trabalho mais frio não compõem um cenário favorável ao consumo.