São Paulo perde R$ 132 bilhões por ano para sonegação

Se não houvesse sonegação fiscal no estado, os contribuintes atuais poderiam ser desonerados em quase 25% da carga atual

São Paulo – O estado de São Paulo deixa de arrecadar cerca de 132,8 bilhões de reais por ano por causa da sonegação. É isso que mostra o “Sonegômetro”, que circula pela cidade no começo dessa semana. O valor equivale a 24,5% do total arrecadado, considerando os impostos das três esferas (federal, estadual e municipal) ou a 9,6% do PIB.

Se não houvesse sonegação fiscal em São Paulo, os contribuintes atuais poderiam ser desonerados em quase 25% da carga atual sem que a arrecadação fosse prejudicada, segundo o Sinprofaz. Nesta segunda (24) e terça-feira (25), um placar móvel do sonegômetro circulará pela cidade de São Paulo, mostrando em tempo real o quanto o estado deixa de arrecadar todos os dias.

O “Sonegômetro” mensura a sonegação fiscal em tempo real. Ele foi desenvolvido pelo Sinprofaz (Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional). Para chegar ao índice de sonegação, o estudo selecionou 13 tributos que correspondem ao 87,4% do total da arrecadação tributária no Brasil (IR, IPI, IOF, INSS, COFINS, CSLL, FGTS, ICMS, ISS, dentre outros). De acordo com o estudo, a arrecadação brasileira poderia ser 23% maior caso fosse possível eliminar a evasão tributária.

A contagem do “Sonegômetro” começou no dia 1º de janeiro deste ano e já está próxima dos 200 bilhões de reais. Estudo elaborado pelo sindicato mostra que o Brasil deixa de arrecadar 415 bilhões de reais por ano (o equivalente a 10% do PIB). O valor estimado de sonegação tributária é superior a tudo que foi arrecadado em 2011 de Imposto de Renda (278, 3 bilhões de reais).