Safra de laranja de São Paulo cresce 17% em 2011/2012

A produtividade média cresceu para 1,92 caixa de 40,8 kg por pé, contra 1,7 caixa por pé da temporada anterior

São Paulo – A safra de laranja do Estado de São Paulo deverá alcançar 377,1 milhões de caixas (40,8 quilos) em 2011/12, ante produção de 322,1 milhões de caixas na temporada passada, informou a Conab nesta quinta-feira, em estimativa alinhada com o número previsto pela indústria.

O volume estimado representa um aumento de 17 por cento sobre o ciclo anterior.

Na estimativa de maio, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) apontava uma safra de 355 milhões de caixas.

Segundo a entidade, a produtividade média cresceu para 1,92 caixa de 40,8 kg por pé, contra 1,7 caixa por pé da temporada anterior, por conta do clima favorável registrado desde o ano passado.

“O período de estio favoreceu o florescimento do laranjal e, posteriormente, as chuvas frequentes e bem distribuídas que aconteceram no início deste ano contribuíram para a formação de frutos bem desenvolvidos e com diâmetro maior”, apontou a Conab em seu terceiro levantamento.

De acordo com a Conab, além de favorecer a florada em importantes áreas, a estiagem do segundo trimestre deste ano reduziu a ocorrência de doenças.

A previsão climática para os próximos meses indica probabilidade maior de chuvas dentro da média em praticamente todo o Estado de São Paulo, com menor volume em setembro e precipitações de maior intensidade a partir de outubro.


“Essa condição, a depender da regularidade e da distribuição espacial das precipitações, poderá beneficiar, tanto o desenvolvimento das frutas tardias, quanto a maturação dos frutos e a continuação da colheita”, acrescentou.

Grande safra

“O número está de acordo com o que a indústria já previa. É um número bom e mais preciso. Ele sublinha todo o processo. O mercado está vendo que temos uma grande safra”, avaliou Christian Lohbauer, presidente da CitrusBR, entidade que reúne a indústria.

As processadoras, depois de muitos anos, divulgaram uma estimativa projetando a safra total em 387 milhões de caixas, em número que inclui áreas da região norte de Minas Gerais.

“Se excluirmos esta região, que produz cerca de 10 a 12 milhões de caixas, são cerca de 375 milhões de caixas. Fica muito próximo (da estimativa da Conab)…”, afirmou.

Segundo ele, a grande safra só não exerceu pressão maior sobre os valores da laranja porque havia uma situação de estoques reduzidos.

O executivo observou que as estimativas iniciais que apontaram uma boa produção saíram quando engarrafadores estavam fechando os contratos de suco. “É um momento de especulação. Nós mostramos que teria uma safra grande e o preço só não foi pior porque os estoques de suco (de laranja) estavam em baixa”, afirmou Lohbauer.

Outro fator que contribuiu para limitar o recuo dos preços da commodity, ressaltou o executivo, foi a Lec (linha especial de crédito) incluída no Plano Agrícola e Pecuário 2011/12, que pela primeira vez concedeu recursos para a indústria formar estoques de suco de laranja, desde que garantido um valor mínimo de 10,50 reais por caixa, na tentativa de evitar os baixos preços nos picos de oferta.

De acordo com a Conab, a colheita da fruta nesta temporada deverá se concentrar entre agosto a outubro, quando deve ser colhido cerca 55,8 do total da safra.