Riad, Moscou, Caracas e Doha congelarão produção de petróleo

"A fim de estabilizar o mercado do petróleo decidimos congelar a produção", afirmou Al Sa'adah em entrevista coletiva realizada hoje em Doha

Doha – Os governos de Arábia Saudita, Rússia, Venezuela e Catar decidiram nesta terça-feira congelar a produção de petróleo em seus níveis de janeiro, informou o ministro de Energia e Indústria catariano e presidente rotativo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), Mohammed Saleh al Sa’adah.

“A fim de estabilizar o mercado do petróleo decidimos congelar a produção”, afirmou Al Sa’adah em entrevista coletiva realizada hoje em Doha.

Al Sa’adah acrescentou que se tenta “uma medida que não só beneficiará os países produtores e exportadores de petróleo, mas a economia global”.

Além disso, disse esperar que os demais países produtores de petróleo, sejam ou não membros da Opep, apliquem a mesma iniciativa.

Com esse objetivo, o ministro catariano anunciou que liderará uma próxima rodada de contatos com outros países como o Irã e Iraque.

Na entrevista coletiva também estiveram presentes o ministro de Petróleo e Recursos Minerais saudita, Ali al Nuaimi; o titular de Energia russo, Alexander Novak, e o ministro de Petróleo venezuelano, Eulogio del Pino.

No último dia 28 de janeiro, quando Novak mostrou sua disposição a participar do encontro de hoje, antecipou que a Arábia Saudita tinha proposto uma corte da produção de 5%

No entanto, ressaltou que antes de concordar um recorte na extração, era necessário que todos os países produtores e exportadores alcançassem um “consenso” base.

Em seu último relatório, que data de 10 de fevereiro, a Opep afirmou, citando fontes secundárias, que a produção de petróleo dentro de sua organização aumentou em janeiro em 131.000 barris ao dia e alcançou uma média de 32,3 milhões de barris diários.

Antes do anúncio realizado em Doha, a Opep havia informado em Viena que o barril de petróleo de seu grupo se valorizou 6,3% hoje e estava cotado a US$ 28,44.

Com este considerável aumento, o petróleo da Opep mantém a tendência de alta dos dois últimos dias, nos quais já ganhou US$ 3 por barril.

Ainda assim, o preço do barril de referência da Opep se mantém em seu nível mais baixo em 12 anos, devido ao excesso de oferta de petróleo no mercado.

Matéria atualizada às 9h23min