Responsabilidade solidária pode tirar Finlândia do euro

"Não vamos nos manter no euro a qualquer preço. Estamos preparados para qualquer cenário, inclusive para deixar o euro", assegurou a ministra das Finanças do país

Berlim – A Finlândia ameaçou nesta sexta-feira abandonar a eurozona se finalmente for aplicado o conceito de responsabilidade solidária tanto para a dívida dos Estados como para a dívida das entidades financeiras privadas.

A ministra de Finanças finlandesa, Jutta Urpilainen, afirmou em entrevista ao jornal econômico local “Kauppalehti” que seu país não está disposto a permanecer dentro da zona do euro “a qualquer preço”.

“A Finlândia é um membro convicto da eurozona e achamos que o euro nos convém. No entanto, não vamos nos manter no euro a qualquer preço. Estamos preparados para qualquer cenário, inclusive para deixar o euro”, assegurou a social-democrata.

A ministra reiterou que o governo finlandês não vai aceitar uma responsabilidade comum sobre as dívidas de outros Estados, como está sendo sugerido em alguns âmbitos da União Europeia (UE) dentro do processo de maior integração fiscal.

Além disso, Jutta descartou que seu país, um dos poucos que mantêm a qualificação creditícia máxima “AAA” na Europa, aceite uma união bancária em que todos os Estados da eurozona garantam de forma solidária a resolução dos bancos.

O porta-voz do Ministério de Finanças finlandês, Matti Hirvola, se pronunciou horas mais tarde para diminuir a carga das afirmações da ministra, alegando que a Finlândia “não está planejando sair da eurozona” e que as considerações nesse sentido são “totalmente equivocadas”.

Hirvola reiterou também que a Finlândia adotará uma “postura dura” em matéria de programas de resgate, após comunicar ontem que exigirá garantias adicionais à Espanha pelo pacote de ajuda aos bancos. “