Renúncia com desonerações soma R$ 58,8 bi no ano

O valor é 39,18% maior que os R$ 42,257 bilhões registrados no mesmo período do ano passado

Brasília – A renúncia fiscal com desonerações tributárias somou R$ 58,813 bilhões de janeiro até julho, segundo dados divulgados há pouco pela Receita Federal.

O valor é 39,18% maior que os R$ 42,257 bilhões registrados no mesmo período do ano passado.

Só em julho deste ano, a renúncia foi de R$ 8,108 bilhões, um número que é 19,78% maior que os R$ 6,769 bilhões registrados no mesmo mês de 2013.

A desoneração referente à folha de salários somou R$ 10,965 bilhões de janeiro a julho de 2014, sendo R$ 1,647 bilhão referente ao mês passado.

Arrecadação no ano

Apesar da previsão da Receita Federal de um crescimento real de 2% este ano, a arrecadação de tributos e contribuições federais tem desacelerado.

Até julho, o resultado da arrecadação cresceu apenas 0,01% em relação aos sete primeiros meses de 2013.

O recolhimento de tributos registrava alta de 2,08% no acumulado do primeiro trimestre. Mas a partir de abril, passou a desacelerar.

As receitas administradas têm um desempenho um pouco melhor. De janeiro a julho, subiram 0,23% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Segundo os dados divulgados nesta sexta-feira, 22, pela Receita, a perda de fôlego este ano se deve a um recolhimento menor em R$ 4 bilhões nas receitas extraordinárias de IRPJ, CSLL, PIS e Cofins e de R$ 6,867 bilhões no pagamento de IRPJ e CSLL pela estimativa mensal e na declaração de ajuste anual.

O maior peso, no entanto, foi das desonerações, que foram R$ 16,556 bilhões maiores no acumulado deste ano do que nos sete primeiros meses do ano passado.

A Receita também destaca a queda em 2014 de alguns indicadores macroeconômicos, como a produção industrial, que impactaram o crescimento da arrecadação.

O PIS e Cofins caíram 3,35% em relação ao período de janeiro a julho de 2013. O pagamento de IRPJ e CSLL caiu 3,78% e o IOF registrou queda de 8,01%.

O imposto de importação e IPI vinculado à importação também mostram um recuo de 1,92% no acumulado do ano.