Reino Unido encoraja empresários a investir na AL

"A América Latina é uma companheira natural para o Reino Unido, um lugar cada vez mais atrativo para nossas empresas", assinalou William Hague

Londres – O ministro das Relações Exteriores do governo britânico, William Hague, encorajou nesta quinta-feira os empresários de seu país a abrir caminho na América Latina, uma região que qualificou como “companheira natural” do Reino Unido.

Durante seu discurso no terceiro Fórum Latino-Americano de Investimento (LAIF 2013) realizado hoje no coração financeiro de Londres, Hague prometeu apoio às empresas que decidam entrar no mercado latino-americano.

“A América Latina é uma companheira natural para o Reino Unido, um lugar cada vez mais atrativo para nossas empresas”, assinalou o ministro britânico perante uma audiência de representantes políticos e econômicos de 16 países latino-americanos.

O fórum, organizado pela Associação Latino-Americana de Comércio e Investimento (LATIA) – integrada por agências de investimento e departamentos comerciais de embaixadas latino-americanas no Reino Unido -, analisou as oportunidades de investimento em várias áreas.

Os participantes da LAIF 2013 se centraram este ano em energia, indústrias de extração e infraestrutura, e estudaram novas tendências de investimento em âmbitos como tecnologia e inovação.

Segundo Hague, o fórum cumpre um “papel vital” na criação de relações “flexíveis e modernas, aptas para o século 21” com a América Latina, uma região que a cada ano importa mais bens procedentes do Reino Unido.

“Comercializamos mais do dobro de bens com a Bélgica que com toda América Latina, apesar da economia da Bélgica ser da metade do tamanho da cidade de São Paulo”, considerou.

Para fortalecer as relações econômicas com a região, o ministro enumerou várias medidas: apoiar às empresas britânicas para penetrar no mercado latino-americano, produzir bens para os consumidores da região e fazer do Reino Unido um destino atrativo para o investimento latino-americano.

“A região se transformou em um farol de estabilidade política e econômica, e cada vez é mais influente em nível mundial”, acrescentou Hague, que aproveitou a ocasião para dizer que a escolha do novo papa é “um orgulho para a América Latina”.