Recuperação gradual no 2º semestre anima governo

Para o governo, a alta na produção industrial de agosto reforça a avaliação de uma retomada

Brasília – A área econômica do governo vê a confirmação, nos indicadores divulgados nas últimas semanas, de um cenário de recuperação gradual e moderada da atividade econômica no segundo semestre. Para o governo, a alta na produção industrial de agosto reforça a avaliação de uma retomada na atividade econômica após resultados ruins do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre.

Levantamento da área econômica mostra 13 indicadores que sinalizariam, na avaliação do governo, um quadro mais favorável. Nessa lista, segundo apurou o Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, está a informação de que o licenciamento de veículos produzidos no Brasil cresceu 9,6% em setembro, em relação a agosto.

A alta na média diária foi em torno de 4%. Os dados do setor, que ainda serão divulgados na segunda-feira, foram considerados um indicador dessa melhoria.

Na lista preparada pelo governo estão dados que reforçariam a melhora da confiança, entre eles, a alta de 0,7% do Índice de Confiança do Consumidor da FGV e de 1,3% do Índice Nacional de Expectativa dos Consumidores (Inec) da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Para o governo, a confiança dos empresários industriais “começa a reagir”, como indicou o Sensor da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) – houve um aumento de 45,6 para 48,6 pontos. “O quadro está melhorando como se previa”, diz uma fonte.

O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, informou ao Broadcast um número mais amplo: o licenciamento de veículos leves, ônibus e caminhões produzidos no Brasil ou importados subiu 8,7% em relação a agosto, totalizando 296,3 mil unidades.

“Sem dúvida, teremos um segundo semestre melhor do que o primeiro. O faturamento de setembro é mais uma prova disso”, disse Moan.

Apesar do aumento dos licenciamentos em setembro, Moan afirma ainda não saber se as vendas se refletiram no aumento da produção. A Anfavea está coletando os dados com as montadoras associadas e ainda não tem o resultado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.