Recessão no Brasil derruba resultados de multinacionais

Na GM, por exemplo, o mercado brasileiro encolheu 27% no terceiro trimestre em comparação a igual período do ano passado

Nova York – O Brasil vem sendo o vilão para muitas grandes empresas multinacionais dos Estados Unidos na atual temporada de divulgação de resultados trimestrais. A recessão e a desvalorização do real estão afetando os números de empresas tão diferentes como a montadora General Motors, a fabricante de eletrodomésticos Whirlpool, a companhia aérea American Airlines, a Coca-Cola, a 3M e a fabricante de equipamentos Caterpillar.

Apesar de muitas das grandes multinacionais dos EUA não divulgarem números específicos de países onde operam, preferindo dados consolidados por região, a piora da economia brasileira, com mercado interno mais fraco, redução dos investimentos e desvalorização do real, vem sendo citada em dezenas de balanços corporativos e teleconferências de resultados como uma das responsáveis pela queda do faturamento destas companhias.

‘Situação desafiadora’

Na teleconferência de resultados da GM, a presidente executiva (CEO) da montadora, Mary Barra, destacou que o mercado brasileiro encolheu 27% no terceiro trimestre em comparação a igual período do ano passado. “A situação na América do Sul é desafiadora”, disse ela. A empresa teve um prejuízo na região de US$ 217 milhões no terceiro trimestre, acima da perda de US$ 32 milhões do mesmo período do ano anterior.

A American Airlines também ressaltou a contribuição negativa do Brasil para seus números, sobretudo por causa da forte desvalorização do real em relação ao dólar. A receita unitária consolidada por passageiro (Prasm, na sigla em inglês) teve queda de 25% no trimestre, número só menor na América Latina do que o da Venezuela, com retração de 46%.

“Não há sinais de melhora para as receitas na América do Sul. Não esperamos, de forma realista, que os dados da região melhorem até que a economia do Brasil mude”, disse na teleconferência de resultados o presidente da AA, J. Scott Kirby, destacando que a companhia cortou 30% da capacidade no Brasil.

Apesar de a situação dos países emergentes estar complicada de forma geral, com piora da perspectiva de crescimento em vários mercados e desaceleração da China, a 3M anunciou crescimento de 13% no México e de 1,5% na Europa, Oriente Médio e Ásia. No Brasil, porém, reportou queda de 2%. “O Brasil passa por um momento duro”, disse na teleconferência de resultados o presidente executivo da 3M, Inge G. Thulin.

Máquinas

“O Brasil está em recessão, com um ambiente econômico difícil. E as nossas vendas certamente refletem essa dificuldade”, disse, na teleconferência para comentar o balanço da Caterpillar o vice-presidente da empresa, Michael Lynn DeWalt, mencionando a piora na América Latina no faturamento com equipamentos para o setor de construção.

A desvalorização do real também teve impacto no balanço. “Tivemos perdas no trimestre de US$ 135 milhões (com moedas). E muito dessa perda veio do Brasil e da China, onde as divisas se enfraqueceram.”

Influenciado pelo desempenho fraco de grandes mercados fora dos Estados Unidos, como Brasil e China, a queda do preço do petróleo e a valorização do dólar, os analistas projetam uma queda de 5,1% nos ganhos das companhias abertas dos EUA no terceiro trimestre, segundo estimativa calculada pela FactSet.

Das 173 companhias que fazem parte do índice S&P 500 que divulgaram números até a última sexta-feira, 77% tiveram lucro acima do esperado, mas não porque conseguiram números muito bons.

Os analistas do FactSet lembram que várias companhias vinham alertando para ganhos mais fracos, o que fez Wall Street reduzir as estimativas, ficando mais fácil bater as projeções.