Produção de petróleo da Opep sobe para 32,42 mi bpd em dezembro

De acordo com a Opep, a alta foi impulsionada, principalmente, pelo aumento da produção na Nigéria, Angola e Argélia

Londres – A produção de petróleo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) subiu em dezembro, mesmo com o mercado global se reequilibrando, apoiado pelo acordo de corte do cartel.

Em seu relatório mensal publicado nesta quinta-feira, a Opep disse que a produção dos membros do cartel subiu 42 mil barris por dia, para uma média de 32,42 milhões de barris por dia em dezembro.

De acordo com a Opep, a alta foi impulsionada, principalmente, pelo aumento da produção na Nigéria, Angola e Argélia.

No entanto, o processo de reequilíbrio do mercado continua em curso, “refletindo a oferta mais apertada e a redução dos estoques globais”, segundo a Opep.

Essas mudanças seriam resultado dos esforços do cartel de cortar a produção diária em 1,8 milhão de barris, combinado a uma demanda mais forte.

No final de 2016, a Opep e outros 10 grandes produtores de fora do cartel, entraram num acordo para reduzir a produção em cerca de 2%, num esforço para combater um excesso de oferta que pressiona a commodity desde 2014. Em novembro do ano passado, o acordo foi estendido até o fim de 2018.

No relatório desta quinta-feira, a Opep afirmou que os contratos futuros do barril do tipo Brent subiram 22% ao longo de 2017, para uma média de US$ 55 por barril. Neste mês, o Brent chegou ao maior nível em três anos.

As estimativas de aumento da demanda por petróleo em 2017 foram revisadas em 43 mil barris por dia, para 1,57 milhões de barris por dia, levando o número total da demanda por petróleo no mundo no ano passado para 96,99 milhões de barris por dia. A elevação resultou de dados mais fortes do que o esperado da Europa e da China.

Para este ano, a previsão da Opep sobre demanda por petróleo foi mantida em 1,53 milhões de barris por dia.

No entanto, a oferta de petróleo mundial subiu em dezembro em 40 mil barris por dia, para uma média de 97,9 milhões de barris por dia, com os Estados Unidos sendo “os principais responsáveis pelo crescimento da oferta fora da Opep”.

O cartel revisou para cima as previsões de oferta de não-membros da Opep em 121 mil barris por dia, para uma média de 58,94 milhões de barris por dia.