Produção de montadoras brasileiras cresce 15,8% sobre 2012

Apenas em julho foram fabricados 312.300 veículos, número 3,7% superior ao do mesmo mês de 2012, mas 2,7% inferior ao de junho, segundo a Anfavea

Rio de Janeiro – As montadoras brasileiras produziram nos sete primeiros meses do ano 2,17 milhões de unidades, o que representa um crescimento de 15,8% em relação ao 1,87 milhão fabricados entre janeiro e julho do ano passado.

Apenas em julho foram fabricados 312.300 veículos, número 3,7% superior ao do mesmo mês de 2012, mas 2,7% inferior ao de junho, segundo dados divulgados pela Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

O aumento da produção foi impulsionado principalmente pela demanda, já que o número de veículos vendidos no Brasil nos sete primeiros meses do ano ficou em 2,14 milhões de unidades, um crescimento de 2,9% em relação ao mesmo período do ano passado (2,08 milhões).

As vendas em julho fecharam em 342.306 unidades, queda de 6% comparado a julho de 2012, e 7,4% maior que junho.

Segundo a Anfavea, o país exportou entre janeiro e julho deste ano 318.610 veículos, número 24,9% maior que nos sete primeiros meses do ano passado, 255.194.

As exportações em julho ficaram em 52.456 unidades, com uma queda de 2,7% em comparação ao ano passado e alta de impressionantes 75,9% frente a junho de 2013.

“Essa elevação das exportações é resultado principalmente da melhoria do mercado interno dos países destino e não de ajustes na taxa de câmbio ou do aumento da competitividade”, explicou o presidente da Associação, Luiz Moan Yabiku.

O dirigente afirmou que, diante do crescimento tanto da produção como das vendas, a Anfavea revisará para mais suas previsões para este ano, que projetam para 2013 crescimento de 4,5% de veículos fabricados até 3,5 milhões de unidades, e também crescimento de 4,5% nos comercializados alcançando 3,97 milhões de unidades.

O Brasil é o quarto maior mercado mundial de veículos (somente atrás de China, EUA e Japão) e produziu no ano passado 3,34 milhões de unidades, o que representou uma queda de 1,9% em relação a 2011, mas comercializou um recorde de 3,80 milhões de unidades, uma alta de 4,6% na comparação com o ano anterior.