Presidente do BCE tenta guiar mercados concentrados no Fed

Mario Draghi lutará por redução das taxas de juros do mercado, mas recuperação em fase inicial reunião iminente do Fed torna o isso uma missão quase impossível

Frankfurt – O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, irá lutar para tentar influenciar a redução das taxas de juros do mercado na quinta-feira, mas a recuperação ainda em fase inicial na zona do euro e a reunião iminente do Federal Reserve torna o trabalho de Draghi uma missão quase impossível.

Abandonando sua tradição de nunca se comprometer antecipadamente com movimentos futuros, o BCE informou em julho que iria manter suas taxas nos níveis atuais ou mais baixos por “período prolongado”  -seu primeiro uso da orientação futura.

Mas a medida fracassou em convencer os investidores, que têm empurrado para cima as taxas do mercado de dinheiro, em resposta aos fortes dados econômicos e às expectativas de que o Fed começará a reduzir seu estímulo, possivelmente a partir deste mês.

A melhora do cenário econômico, sustentada por notícias na segunda-feira de que as fábricas aceleraram a atividade em agosto, enfraqueceu a chance de redução de taxas pelo BCE quando suas autoridades se reunirem na quinta-feira.

“Não acho que eles discutirão uma redução de taxa”, disse Andrew Bosomworth, o gerente sênior de portfólio da Pimco, maior fundo de títulos do mundo.

O BCE debateu a redução das taxas em julho, mas decidiu não fazê-la e, em vez disso, fez sua orientação.

“Os dados positivos acabaram ofuscando a orientação futura”, disse Bosomworth. “Falar é fácil, mas não é tão eficaz quanto as ações”.


Assim como ocorreu com o banco central britânico, a recuperação econômica tem fortalecido o ceticismo do mercado quanto aos esforços do BCE. O alerta de Draghi de que as expectativas de aumentos de taxas “não eram justificáveis” não surtiu efeito.

As novas estimativas dos membros do BCE que serão divulgadas na quinta-feira não devem mudar de maneira perceptível ante as últimas projeções em junho, e irão, portanto, oferecer pouca margem para uma mudança de política.

Uma pesquisa da Reuters mostrou na segunda-feira de 20 de 22 delares consultados disseram que o BCE não fará nada mais, particularmente com os sinais de uma nascente recuperação econômica na zona do euro.

O economista Carsten Brzeski do ING não detectou um sentimento de urgência entre as autoridades do BCE para tornarem a orientação deles mais específica –como o Fed ou o BC britânico–, deixando para Draghi tentar influenciar a diminuição das taxas de mercado.

“É um grande desafio para as habilidades de comunicação de Draghi”, resumiu Brzeski.