Preço do tomate deve desacelerar ainda em abril, diz FGV

A expectativa é de que uma desaceleração já percebida nos últimos dias no atacado apareça em breve no varejo

Rio de Janeiro – O preço do tomate deve começar a dar um alívio ao consumidor final ainda neste mês, prevê o economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) Salomão Quadros.

A expectativa é de que uma desaceleração já percebida nos últimos dias no atacado apareça em breve no varejo.

Segundo o Índice de Preços ao Consumidor (IPC), que faz parte do Índice Geral de Preços – 10 (IGP-10), a inflação do tomate foi de 8,55% para 15,77%, na passagem de março para abril. No ano, acumula alta de 90,77% e, em 12 meses, de 170,48%.

O grupo alimentação, com aceleração de 1,26% para 1,40% no período, permanece liderando a inflação no varejo neste mês. As influências, contudo, não partiram só do tomate. São destaques as altas de preços das frutas, que avançaram de 1,07% para 5,44%; da batata inglesa, de 6,72% para 13,43%; e da cebola, de 14,27% para 21,17%.

A alimentação no domicílio ficou 1,73% mais cara, ante 1,42% no mês anterior, e acumula alta de 16,19% em 12 meses. Enquanto à inflação fora de casa, em contrapartida, desacelerou de 1,01% para 0,85%. “Não haverá, nos próximos meses, a informação de que os preços dos alimentos despencaram. Mas, se a gente olhar para o atacado, podemos prever que percam ritmo daqui para frente”, disse Quadros.