Preço de imóveis na Europa caiu no primeiro trimestre

Assim como ocorre com os dados de desemprego, os valores dos imóveis revelam maior desaquecimento da economia

Lisboa – O Eurostat, instituto de estatística da União Europeia, divulgou ontem (11) que o preço dos imóveis caiu em média 1,4% no primeiro trimestre de 2013 (comparação com o mesmo período de 2012) em 27 países que formam a União Europeia. A Croácia, último país a aderir ao bloco, ficou fora do levantamento.

Assim como ocorre com os dados de desemprego, os valores dos imóveis nos 17 países onde circula o euro revelam maior desaquecimento da economia: a queda chega a 2,2%. Na zona do euro, as maiores reduções nos preços de casas e apartamentos ocorreram na Espanha (-12,8%), que tem aproximadamente 6 milhões de desempregados; Portugal (-7,3%) e Holanda (-7,2%). A Hungria, que tem moeda própria, teve queda de 9,3%.

Apesar de o epicentro da crise econômica internacional ser a Europa e haver contágio entre as regiões – por exemplo, pelo comércio regional e o sistema financeiro –, em alguns países, foi registrado aquecimento do mercado com a alta dos preços dos imóveis, como na Estônia (7,7%), em Luxemburgo (4,3%), na Letônia (7,2%) e na Suécia (4,1%) – os dois últimos fora da zona do euro.

Em Portugal, o desaquecimento do mercado imobiliário é acompanhado há algum tempo pela Fundação Manuel dos Santos, que mantém o site Conhecer a Crise. Conforme os indicadores coletados, a construção civil é o setor de atividade econômica com maior proporção de inadimplência: 20,6% do total valor total de empréstimos. Além disso, a venda de cimento cai mês a mês há pelo menos um ano – em maio a queda alcançou 18,8%.

O problema de retração da atividade imobiliária afeta os brasileiros que moram em Portugal – a maior colônia de estrangeiros no país. Cerca de 10% dos brasileiros recenseados em 2011 pelo Instituto Nacional de Estatísticas (INE) trabalhavam no ramo de promoção imobiliária e construção de edifícios.