Por que está na hora de investir no Japão?

Vários fatores estão convergindo para criar um ambiente de investimento favorável na Terra do Sol Nascente

A confiança na economia tem aumentado recentemente entre as empresas japonesas e entre os consumidores. O mais recente “Tankan” (levantamento econômico de curto prazo de empresas emitido pelo Banco do Japão, em dezembro passado) mostra o mais alto nível de confiança entre as empresas desde agosto de 1991.

De acordo com a pesquisa anual de 2017 do Gabinete do Primeiro Ministro, 73,8 % dos japoneses indicaram que estavam basicamente satisfeitos com seu atual padrão de vida (o maior percentual registrado desde que a pesquisa começou a fazer a pergunta, há mais de 50 anos!).

O Merrill Lynch mostra que o produto interno bruto real do Japão cresceu 1,8% durante 2017 e deverá manter-se em 1,7% em 2018. Este é um crescimento modesto em comparação com outras economias asiáticas.

No entanto, como a economia japonesa provavelmente crescerá no mesmo ritmo que em 2017, será o período mais longo de recuperação desde o final da Segunda Guerra Mundial.

Cinco principais razões para otimismo e confiança:

1. Nos últimos 18 meses, o Japão vem experimentando sua segunda maior expansão econômica na era pós-Segunda Guerra Mundial; e embora todos nós saibamos que não se pode prever totalmente o futuro olhando para o passado, o clima positivo atual está impulsionando uma espiral saudável de otimismo cauteloso entre os empresários, o governo (e consumidores como destacado anteriormente pela pesquisa anual do gabinete do Primeiro Ministro sobre a qualidade de vida da população do país).

2. As empresas japonesas armazenaram muitas reservas de caixa e foram incentivadas a aumentar os salários e fazer investimentos de capital para superar as questões de capacidade e melhorar a produtividade. Dada a atual escassez de mão-de-obra, é provável que os aumentos salariais ocorram nesta primavera [no Hemisfério Norte], trazendo mais gastos de consumo e inflação dentro da meta de 2% estabelecida pelo governo japonês. A administração Abe anunciou que, se as grandes corporações aumentarem os salários em 3% e fizerem investimentos de capital de 90% ou mais de seus custos de depreciação, poderão receber uma dedução fiscal de 20% do aumento dos custos salariais.

3. No ano passado, o ambiente econômico global foi muito favorável às empresas japonesas. As economias asiáticas devem continuar se saindo bem e o ambiente de negócios da China está melhorando. A probabilidade de uma grande recessão na economia chinesa, uma preocupação importante para o Japão, parece estar diminuindo à medida que os economistas e empresários japoneses antecipam uma desaceleração suave da economia chinesa, em vez de uma desaceleração brusca.

4. O primeiro-ministro Abe não enfrentará outra eleição geral antes de 2021 e está prestes a se tornar o mais antigo primeiro-ministro japonês do pós-guerra, dando uma estabilidade política extra ao país. Diante de uma oposição enfraquecida, Abe está livre para continuar com suas reformas econômicas e constitucionais. Desde que assumiu o cargo em dezembro de 2012, o iene caiu mais de 20% em relação às principais moedas internacionais (enquanto as ações de Tóquio quase dobraram) para melhorar consideravelmente a competitividade das empresas japonesas.

5. Por fim, a construção de mais hotéis e infraestrutura continuará neste ano, à medida que o país se prepara para as Olimpíadas e Paraolimpíadas de Tóquio em 2020.

Principais desafios à frente

Ao mesmo tempo, vários desafios importantes permanecem. Vamos nos concentrar no que muitos consideram os três principais problemas que o país enfrenta:

1. A maioria dos problemas internos do Japão é causada pelo envelhecimento da população, baixas taxas de natalidade e redução da força de trabalho. Essas questões combinadas continuam sendo a principal dor de cabeça para a competitividade de longo prazo do Japão. Ao mesmo tempo, alguns economistas e empresários alegam que esse desafio também está criando grandes oportunidades para empresas japonesas e estrangeiras no setor de saúde e robótica, por exemplo.

2. Redefinir um novo modelo industrial e desenvolver uma mentalidade global entre executivos e líderes empresariais é fundamental para que as empresas japonesas possam competir efetivamente em escala global. Com um crescimento limitado no mercado interno, as empresas japonesas não têm outra escolha senão se tornar mais competitivas no exterior. Até recentemente, as empresas japonesas eram muito competitivas globalmente em alguns setores centrais de fabricação (por exemplo, automotivo, eletrônicos, máquinas-ferramentas etc.). Entretanto, essas indústrias estão sendo redefinidas (por novos players como a Tesla) ou diminuídas (como eletrônicos de consumo). E quando se trata de serviços (hotéis, seguros, software etc.), poucas empresas japonesas realmente fizeram isso globalmente!

3. Na frente da política externa, lidar com a ameaça da Coreia do Norte continua sendo uma questão importante. O recente alerta de Kim Jong-Un de que estaria pronto para “jogar o Japão no fundo do mar” continua sendo um assunto de profunda preocupação para o público japonês. Ao mesmo tempo, a ameaça norte-coreana está ajudando a agenda de Abe a revisitar a constituição japonesa e reforçar as forças militares do país.

Hora de investir

Dado o ambiente global japonês, é chegado o momento de os estrangeiros investirem mais no Japão. No curto prazo, o mercado de ações deve continuar bem. O índice Nikkei alcançou uma nova alta de 26 anos e analistas preveem que os ganhos continuem. Quando o mercado reabriu após o dia de Ano Novo, o Nikkei atingiu 23.952,61 pontos, o maior nível desde novembro de 1991.

Depois de um longo período de hesitação, muitas empresas estão trabalhando em reformas estruturais. Um bom exemplo disso é a SONY, que está passando por uma grande reestruturação com foco em sensores de imagem e jogos.

A empresa recentemente elevou sua previsão de lucro operacional para o ano todo em mais de 25%, o que provavelmente superará seu atual recorde de lucro estabelecido em 1998.

A médio e longo prazos, o Japão oferece algumas oportunidades formidáveis ​​para empresas estrangeiras. Como mencionado anteriormente, o envelhecimento da população está criando grandes aberturas para empresas nos setores de saúde e bem-estar.

O mesmo vale para a robótica, mas essas indústrias podem ser bastante óbvias para os investidores. As maiores oportunidades provavelmente estão em novos setores, como o software. Vejamos a indústria automobilística como exemplo: o modelo “antigo” de fabricação de carros foi baseado em aço e engenharia e gerou as fortunas de empresas como Toyota e similares.

No entanto, com carros autônomos definindo o tom para o futuro, o “novo” modelo de fabricação de automóveis dependerá cada vez mais de software, historicamente não uma força japonesa! Além disso, apesar de uma tentativa de replicar o sucesso do Google, Amazon e Apple, poucas empresas japonesas conseguiram competir localmente ou internacionalmente com esses gigantes americanos.

Em suma, a ruptura digital está redistribuindo as cartas entre os jogadores internacionais e impulsionando a 3ª maior economia do mundo.

Ao mesmo tempo, as corporações japonesas estão se reinventando ao fechar grandes lacunas de competitividade. Tudo isso contribui para criar potencialmente as maiores oportunidades de investimento para estrangeiros no Japão desde a Segunda Guerra Mundial.

*Dr Dominique Turpin é professor titular da cadeira Dentsu no IMD