Pimentel acena com gestão mais profissional em estatais

Petista defendeu redução da alíquota do ICMS da energia elétrica de Minas, a terceira maior do país, conforme a Federação das Indústrias do Estado de Minas

Belo Horizonte – O candidato ao governo de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), afirmou hoje, antes de participar de encontro com lideranças da base aliada para debater os próximos passos da campanha, que, se eleito, ajudará as estatais mineiras a terem uma gestão mais profissional, com melhora de seus serviços e que não fará nada contra contratos já estabelecidos.

“Minas Gerais tem três estatais de grande porte – Copasa, Codemig e Cemig -, sendo Copasa e Cemig com ações negociadas em bolsa. Não vamos fazer nenhum pronunciamento ou manifestação que afete o desempenho dessas empresas no mercado. O que eu posso dizer é que os acordos e contratos que estiverem estabelecidos serão cumpridos, e, chegando lá ao governo, vamos dar à administração das empresas um caráter profissional e também voltado a prestar bons serviços públicos”, declarou.

Pimentel comentou que, em suas conversas com a população mineira em diversas regiões do estado, tem ouvido muitas queixas sobre a qualidade do atendimento, especificamente da Cemig e da Copasa.

“Isso nós vamos corrigir. Mas não vamos de maneira nenhuma ferir qualquer interesse que tenha respaldo em contratos já estabelecidos”, ressaltou.

Ontem, em sabatina promovida pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Belo Horizonte (CDL-MG), o petista defendeu a redução da alíquota do ICMS da energia elétrica de Minas, a terceira maior do país, de 30%, conforme a Federação das Indústrias do Estado de Minas (Fiemg).

“É preciso decidir onde vai reduzir primeiro e até onde isso não será possível. Por que Minas cobra 30% de ICMS, e São Paulo, 18%?”, falou aos empresários presentes no evento.

A revisão da alíquota do ICMS da energia elétrica no Estado também foi garantida pelos outros candidatos ao governo, Pimenta da Veiga (PSDB) e Tarcísio Delgado (PSB).

Hoje, após reunião com representantes do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas e questionado sobre quais seriam suas propostas para as gestões das estatais mineiras, Pimenta da Veiga disse que não “haverá muita variação de como são tratadas hoje”.

“Eu acho que as principais estatais mineiras se desenvolveram bem nesses períodos e o rumo é mais ou menos o que foi”, falou.

Indagado sobre o que achava do fato de a Cemig aparecer em documentos apreendidos pela Operação Lava Jato, com contrato de compra e venda de energia firmado com uma empresa de fachada controlada pelo grupo do doleiro Alberto Youssef, Pimenta foi enfático.

“É preciso ter muito cuidado sobre o que se fala a respeito da Cemig, porque é uma empresa de capital aberto e eu não tenho essas informações. Mas se houver alguma coisa, deve ser apurado.”