Para Abiplast, triênio 2014-2016 será de ajustes

"O governo precisa viabilizar formas de ampliar a produtividade, investindo em educação, treinamento e preparo do trabalhador", disse presidente da associação

São Paulo – O presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), José Ricardo Roriz Coelho, destacou que a presidente Dilma Rousseff (PT) terá, neste segundo mandato, o desafio extra de despertar credibilidade suficiente para realizar os ajustes necessários para gerar competitividade e iniciar novo ciclo de crescimento a partir de 2017.

Segundo Coelho, o triênio 2014-2016 será de ajustes e economia com baixo crescimento.

“E esse movimento começa com a indicação da equipe econômica, que irá compor essa nova etapa de sua gestão e as medidas macro que irão nortear os próximos quatro anos”, disse o presidente da Abiplast, em nota.

Coelho destacou ainda a necessidade de evolução das questões político-econômicas para que os empresários possam de concentrar na gestão de inovação, novos processos, produtos e mercados.

“Necessitamos urgentemente de mudanças profundas nas políticas fiscal, industrial e comercial. A reforma tributária é urgente para reduzir impostos e simplificar processos. O governo precisa viabilizar formas de ampliar a produtividade, investindo em educação, treinamento e preparo do trabalhador”, comentou.