Devolução de R$ 100 bi ao Tesouro ocorrerá no máximo até agosto, diz BNDES

O cronograma das operações está sendo finalizado e há previsão de duas ou três parcelas a serem pagas em junho e julho e, no máximo até agosto

Brasília – O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) confirmou nesta quarta-feira, 9, que pretende devolver os R$ 100 bilhões ao Tesouro Nacional previstos para este ano, no máximo, até o final de agosto.

De acordo com o banco, o cronograma das operações está sendo finalizado e há previsão de duas ou três parcelas a serem pagas em junho e julho e, no máximo até agosto.

Em março, o banco de fomento devolveu R$ 30 bilhões em recursos para a União. Com a ida do ex-ministro do Planejamento Dyogo Oliveira para a presidência do banco, o processo está sendo acelerado.

Os R$ 130 bilhões previstos para retornarem ao Tesouro neste ano são imprescindíveis para que o governo consiga cumprir a regra de ouro em 2018.

Mesmo com esse montante, o Ministério da Fazenda ainda tem buscado outras alternativas para cobrir o descasamento da regra neste ano, como os saques do Fundo Soberano e o uso de fundos setoriais como o Fistel, além do cancelamento do restos a pagar.

A agenda do presidente Michel Temer previa uma reunião nesta manhã com o presidente do BNDES, Dyogo Oliveira.