Obesidade pode ser risco à economia no México, EUA e Rússia

Estudo da Maplecroft indica que a epidemia da doença tem impacto crescente na produtividade dos trabalhadores

São Paulo – O impacto negativo da obesidade na produtividade dos trabalhadores está chegando aos mercados emergentes, segundo estudo da Consultoria Maplecroft. Entre os países classificados como de “extremo risco” estão o México, o primeiro colocado, seguido pelos Estados Unidos, Rússia, Egito e África do Sul. O Brasil aparece na 7ª posição do ranking, atrás da Turquia.

O estudo indica que a epidemia de obesidade tem um impacto crescente na produtividade dos trabalhadores, além de sobrecarregar os governos com os gastos de saúde pública em decorrência da obesidade. Em 2011, o Fórum Econômico Mundial estimou que o custo econômico global de doenças não transmissíveis, muitas das quais associadas à obesidade, vai alcançar 47 trilhões de dólares em 2030.

Segundo a consultoria, com o desenvolvimento de muitos países, a população passa a adotar cada vez mais um estilo de vida que as coloca em risco de obesidade e doenças relacionadas. No México, o líder do ranking, entre 2000 e 2012, a combinação de sobrepeso e obesidade entre adultos cresceu 12,5%. A população com sobrepeso e obesidade hoje corresponde a 71,3% do total.

China (28º) e Índia (46º), dois dos mais importantes países em crescimento estão entre os de “elevado risco” e “risco médio”, respectivamente. A presença da obesidade é relativamente baixa, mas esses países tem registro de uma população obesa em crescimento. O estudo cita uma estimativa da Organização Mundial de Saúde de que, entre 2005 e 2015, as condições de saúde associadas à obesidade podem reduzir a receita nacional na China em mais de 500 bilhões de dólares e, na Índia, em 200 bilhões de dólares se os governos não fizerem nenhuma intervenção.

E nas economias ocidentais o cenário também é preocupante, segundo o estudo. Pesquisas indicam que, nos Estados Unidos, trabalhadores com sobrepeso ou obesidade que tem pelo menos uma condição crônica custam para a economia 153 bilhões de dólares por ano em perda de produtividade em decorrência de faltas.

O índice de risco de obesidade elaborado pela Consultoria calcula o risco corrente e emergente para os negócios de 188 países. O índice considera o número total de pessoas com sobrepeso e obesidade no país e sua proporção na população. O índice incorpora também fatores de risco emergentes, incluindo uma avaliação da urbanização, crescimento da renda e a mudança nas populações. Para a Maplecroft, cada vez mais os trabalhadores são afetados pelo aumento dos níveis de obesidade e pela perda de produtividade, em decorrência de faltas no trabalho por causa de problemas relacionados à saúde.

  país risco
1 México extremo
2 Estados Unidos extremo
3 Rússia extremo
4 Egito extremo
5 África do Sul extremo
6 Turquia alto
7 Brasil alto
8 Reino Unido alto
9 Argentina alto
10 Arábia Saudita alto