Obama busca ajudar americanos desempregados há mais tempo

O presidente americano divulgou uma iniciativa para ajudar as pessoas que estão há muito tempo desempregadas

Washington – O presidente americano, Barack Obama, divulgou nesta sexta-feira uma iniciativa para ajudar as pessoas que estão há muito tempo desempregadas, como parte de sua campanha para impulsionar a lenta economia dos Estados Unidos.

Em uma entrevista à rede CNN, Obama indicou que 300 das principais empresas do país, incluindo Walmart, Apple e Ford, concordaram em estabelecer um código de boas práticas para não menosprezar as pessoas que pedem emprego apenas porque estiveram desempregados por algum tempo.

O presidente disse que em breve se reunirá com representantes das empresas.

A entrevista à CNN é a primeira desde que Obama pronunciou seu discurso sobre o Estado da União na terça-feira.

Na ocasião, o presidente expressou seu desejo de querer trabalhar com o Congresso nacional, profundamente dividido, mas disse que não hesitará em utilizar decretos para tentar fazer as coisas avançarem. Explicou, por exemplo, que ordenará um aumento do salário mínimo para os novos trabalhadores contratados pelo Estado federal.

A taxa de desemprego nos Estados Unidos se localiza atualmente em 6,7%, o nível mais baixo desde outubro de 2008. Mas muitos americanos enfrentam uma dura batalha no mercado de trabalho devido ao estigma de ter estado sem trabalho durante um período prolongado, durante e depois da recessão.

Obama declarou à CNN que os empregadores “veem este vazio em seus currículos e os rejeitam antes de dar a eles a chance de fazer uma entrevista”.

“Reunimos 300 companhias apenas para começar, incluindo algumas das empresas mais importantes do país, para dizer ‘Vamos estabelecer melhores práticas. Não excluam as pessoas do processo de contratação apenas porque estiveram desempregadas durante muito tempo'”, disse Obama.

O presidente acrescentou que será útil que o Congresso atue e faça algo como aumentar o salário mínimo em nível nacional.

“E por isso vou continuar pedindo sua colaboração”, disse sobre os legisladores. “Mas não vou esperar por eles”, advertiu.