O que falta para o Banco Central dobrar o mercado?

Mesmo após o BC ter assumido um discurso mais duro, o mercado se mostra cauteloso na redução das estimativas da inflação

O mercado se mostra cauteloso na redução das estimativas de inflação mesmo após o Banco Central ter assumido um discurso mais duro.

É um sinal de que a Selic deve subir ainda mais, apesar de já ter sido elevada em 6 pontos percentuais desde abril de 2013.

Na última pesquisa Focus com economistas do mercado, a estimativa para a inflação de 2016 ficou praticamente inalterada, em 5,50%, ainda relativamente distante do centro da meta, de 4,5%.

Na pesquisa top 5, com os cinco economistas que mais acertam, a previsão para a Selic no Copom de junho subiu de uma alta de 0,25 pp para 0,50 pp.

O mercado ainda não foi convencido de que o BC realmente fará o que for necessário para trazer a inflação de volta à meta, diz Alexandre Schwartsman, que foi diretor do BC na gestão anterior e tem sido um dos economistas mais críticos à condução da política monetária nos últimos anos.

Para o ex-diretor, o fato de o BC não ter conseguido assegurar a convergência do IPCA para o centro da meta em nenhum dos últimos 6 anos e as mudanças de mensagem nos últimos meses, ora destacando a parcimônia, ora a vigilância, pesam contra a tentativa atual de melhorar as expectativas.

“Eu não descarto que o BC tenha mudado para valer seu discurso. Mas a reputação deste BC em relação ao cumprimento da meta não é boa”.

A Selic teria de subir para mais de 14% para levar o IPCA a 4,5% no final de 2016, diz Schwartsman.

Contudo, o mercado acha que o BC pode interromper a alta e posteriormente retomar os cortes antes do necessário diante do cenário de recessão.

Schwartsman espera apenas uma alta de 0,25 pp em junho.

“O mercado acha que em algum momento o BC abre o bico”.

E, se os economistas estão reticentes, os operadores parecem ainda mais cautelosos.

Os títulos do Tesouro negociados no mercado projetam uma inflação implícita ainda na casa de 7% em 2 anos, mesmo com os contratos de DI estimando Selic a 14% no final do ciclo de alta.

Na última ata do Copom, o BC reforçou a mensagem de que o IPCA terá de convergir para o centro da meta no final de 2016.

Os números mostram que o mercado ainda paga para ver.