O novo capitalismo se parece muito com o antigo capitalismo

181 CEOs assinaram uma declaração modificando a missão da Business Roundtable para ir além de agradar os acionistas. Mas o que isso muda de fato?

A Business Roundtable causou alvoroço no mês passado ao declarar que o objetivo de uma empresa não é apenas gerar retorno aos acionistas – o lema oficial da organização desde 1997 -, mas também cuidar de todos os interessados.

As 300 palavras do comunicado alimentaram especulações sobre como o mundo corporativo dos EUA pode mudar. Aparentemente, não muito, quando conversamos com os próprios executivos.

A Bloomberg News entrou em contato com os 181 CEOs que assinaram a declaração. Cerca de duas dúzias responderam, com respostas idênticas: Nossas empresas já são administradas com clientes, funcionários, fornecedores e comunidades em mente. E com os acionistas, é claro. Caso contrário, teríamos falido há muito tempo.

Muitos até disseram que operam dessa maneira há anos ou até décadas, em outras palavras, muito antes da desilusão com a economia global ter ajudado a transformar a política de Washington a Londres. E as empresas rejeitaram a noção de que obter um retorno justo para os acionistas acaba prejudicando outras partes.

Os críticos, no entanto, apontam para uma desigualdade crescente, remuneração de executivos exagerada e esforços insuficientes para combater a mudança climática, como evidência de que, embora algumas empresas apresentem um desempenho melhor do que outras, os números gerais não sustentam os argumentos dos CEOs.

Vários CEOs reconheceram que muitos americanos não colheram os benefícios da expansão econômica dos últimos anos, e que o discurso político os fez pensar mais sobre o que pode ser feito para ajudar a população.

Mas alguns, incluindo Jamie Dimon, presidente do JPMorgan Chase, argumentam que as empresas por si só não podem resolver todos os problemas da sociedade e não devem ser responsabilizadas por suas deficiências.

“Acho que as empresas podem fazer mais”, disse Dimon. “Mas não acho que sozinhas possam fazer isso.”

Em entrevistas, os executivos – todos eram homens – falaram sobre uma série de programas e iniciativas implementados para pagar melhor os funcionários, reduzir a pegada ambiental das empresas e apoiar as comunidades.

“A maioria dos CEOs corporativos sente que servimos melhor a cada parte interessada, servindo a todos”, disse Tom Linebarger, presidente da fabricante de motores diesel Cummins e membro do conselho da Roundtable.

Lawrence Kurzius, da McCormick & Co., fabricante de temperos, falou sobre os esforços da empresa para ajudar pequenos agricultores em países em desenvolvimento. “As melhores empresas, francamente, não são aquelas que tentam ganhar até o último dólar para o acionista”, disse.

Douglas Peterson, da S&P Global, listou as iniciativas de redução de uso de papel de sua empresa, compensações de carbono e treinamento em ciência de dados para funcionários.

Nem todo mundo compartilha a opinião desses executivos.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, disse em conferência do New York Times este mês que não teria assumido tal compromisso, porque se as empresas focarem apenas no objetivo em vez do lucro, “você não terá uma comunidade empresarial muito vibrante”.

E Steve Schwarzman, da Blackstone – um dos poucos membros da Business Roundtable que não assinou a declaração -, disse que, embora as empresas devam considerar as partes interessadas, o foco em todas elas igualmente tornaria difícil para ele, como CEO, saber o que deveria fazer.

Mas Mark Sutton, CEO da International Paper, disse que o trabalho de sua empresa de preservar florestas e reduzir emissões não está afetando o retorno dos investidores.

Até os mais céticos reconheceram que a declaração da Business Roundtable, de qualquer forma, foi um passo na direção certa. Mas alguns afirmam que as iniciativas de responsabilidade corporativa – embora importantes e bem-intencionadas – não mudam fundamentalmente a busca por retornos das ações que ainda ditam amplamente as prioridades corporativas.

(Com a colaboração de Olivia Carville, Thomas Black, Jenny Surane, Matthew Townsend, Rick Clough, Jordyn Holman, David Welch, Michelle Davis, Annie Massa, Riley Griffin, John Tozzi, Michelle Cortez, Keith Naughton, Ian King, Nico Grant, Rachel Adams-Heard, Katherine Chiglinsky, Gerry Smith, Julie Johnsson, Matt Day, Cynthia Koons, Craig Giammona, Sonali Basak, Lananh Nguyen, Justin Bachman, Oliver Sachgau, Kelly Gilblom, Anousha Sakoui, Brandon Kochkodin, Sridhar Natarajan, Kevin Crowley, Mary Schlangenstein, Scott Moritz, Heather Perlberg, Matthew Boyle e Robert Langreth.)