Não há democracia com desindustrialização, diz Aldo Rebelo

Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação disse que conseguiu incluir 2 projetos no PAC e que país precisa se preparar para quando o ajuste passar

São Paulo – O Brasil precisa se preparar para quando o ajuste passar, disse hoje o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aldo Rebelo.

“O ajuste é para preparar o país para voltar a crescer e se desenvolver”, declarou durante palestra na abertura do 6º Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria, realizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) hoje e amanhã no Sheraton WTC em São Paulo.

Diante de uma platéia formada principalmente por membros do setor empresarial industrial, Rebelo disse que sente “a inquietação e o desassossego da sociedade” com a queda da indústria no país e que a inovação é importante para reverter esse processo:

“Não permaneceremos entre as 10 maiores eocnomias do mundo se os indicadores de inovação ficarem abaixo da 60ª posição.” Ele também disse que a desindustrialização tem efeito sobre a própria democracia: 

“A economia industrial é o único caminho, a única alternativa que pode conduzir a sociedade brasileira no rumo do futuro. Não há democracia profunda, estável e verdadeira em uma sociedade que se desindustrializa.”

Rebelo também contou que manifestou para a presidente seu descontentamento com o fato de que o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) não tinha nada relacionado à infraestrutura tecnológica.

Segundo ele, foi isso que levou à inclusão, mesmo durante o contingenciamento, de dois projetos: o Projeto Sirius e o Reator Multipropósito Brasileiro (RMB), cada um deles com R$ 1,5 bilhão. 

Antes de Rebelo, o co-fundador da Natura Pedro Passos leu e entregou um posicionamento da MEI (Mobilização Empresarial pela Inovação) ao governo federal:

“Estamos nos aproximando dos lastimáveis 10% de participação da indústria no PIB. Em 2012, o percentual de dispêndio empresarial de pesquisa em desenvolvimento em relação ao PIB foi de 0,56%. É muito pouco.”